Yahya Ahmad/Reuters
Yahya Ahmad/Reuters

No Twitter, Trump comemora captura do que diz ser os 5 líderes 'mais procurados' do EI 

Entre os capturados estão quatro líderes iraquianos da organização terrorista e um sírio, informou o 'New York Times', que citou funcionários iraquianos

O Estado de S.Paulo

10 Maio 2018 | 16h27

WASHINGTON - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, comemorou nesta quinta-feira, 10, a captura recente de cinco líderes "mais procurados" do Estado Islâmico, entre eles Abu Zeid al-Iraqi, um dos principais colaboradores do líder da organização terrorista, Abu Bakr al Baghdadi.

+A cidade iraquiana que virou o cemitério do Estado Islâmico

"(Os) cinco líderes mais procurados do EI acabam de ser capturados", disse Trump no Twitter, em referência a uma operação coordenada pelas agências de inteligência de Iraque e EUA, que conseguiram prendê-los.

Entre os capturados estão quatro líderes iraquianos da organização terrorista e um sírio, informou o New York Times, que citou funcionários iraquianos.

O resultado da operação de três meses que levou à captura dos terroristas que estavam escondidos na Síria e na Turquia representa uma grande vitória para os corpos de inteligência iraquiano e americano.

Dois funcionários iraquianos explicaram ao NYT, sob condição de anonimato, que seguiram a pista de vários dos detidos durante meses e, no começo do ano, conseguiram informação de inteligência que os levou à captura dos mesmos.

Uma unidade iraquiana responsável pelas missões encobertas rastreou um dos detidos, Ismail Alwaan al-Ithawi, conhecido como Abu Zeid al-Iraqi, em seu deslocamento da Síria para a cidade turca de Sakarya, que fica cerca de 100 quilômetros a leste de Istambul.

Abu Zeid al-Iraqi, um dos principais colaboradores do líder máximo do EI, Abu Bakr al-Baghdadi, vivia na Turquia com sua mulher síria sob a identidade de seu irmão.

O terrorista, encarregado de realizar transferências bancárias para as contas que o EI tem em diferentes países e homem de confiança de Baghdadi, foi capturado pelas autoridades turcas e entregue ao Iraque. / EFE

Relembre: EI reivindica ataque contra academia militar de Cabul

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.