Al Drago/The New York Times
Al Drago/The New York Times

No Twitter, Trump critica a Alemanha

Presidente americano reclama de déficit comercial com país europeu e de contribuição pequena de Berlim para a Otan

O Estado de S.Paulo

30 Maio 2017 | 15h30

WASHINGTON - O presidente Donald Trump usou o Twitter nesta terça-feira, 30, para reclamar do déficit comercial dos Estados Unidos com a Alemanha e criticar o país por considerar que o mesmo deveria pagar mais para financiar a aliança militar na Otan.

"Nós temos um déficit comercial EM MASSA com a Alemanha, que além disso paga BEM MENOS do que deveriam na Otan e (na aliança) militar. Muito ruim para os Estados Unidos. Isto vai mudar", escreveu o presidente em sua conta @realDonaldTrump.

O presidente americano se pronunciou depois que a Alemanha o criticou ao final de sua primeira viagem ao exterior, concluída no domingo, e que o levou à Arábia Saudita, a Israel, à Bélgica e à Itália para a reunião do G7.

No domingo, a chanceler Angela Merkel questionou a confiabilidade da aliança com Estados Unidos e Reino Unido.

"Os laços transatlânticos são de uma importância primordial para nós... mas na atual situação há ainda mais razões para tomarmos o destino em nossas mãos", disse Merkel em uma entrevista coletiva.

"A Europa deve ser um ator mais ativo nas questões internacionais, considero isso extremamente importante", acrescentou a chanceler.

 

Na segunda-feira, o ministro das Relações Exteriores alemão, o social-democrata Sigmar Gabriel, foi muito franco ao falar a respeito do presidente americano, acusando-o de "enfraquecer" o Ocidente e trabalhar contra os interesses da União Europeia.

"Qualquer um que acelere as mudanças climáticas através da redução da proteção ambiental, que vende mais armas em uma zona de conflito e que não quer resolver politicamente os conflitos religiosos, esta pessoa coloca em risco a paz na Europa", declarou o ministro alemão.  / AFP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.