Nobel da Paz, Obama decide estratégia da guerra afegã

Com o peso do Nobel da Paz, anunciado na sexta-feira, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, deverá decidir nas próximas semanas se envia até 40 mil militares para combater a rede terrorista Al-Qaeda e a milícia extremista Taleban, elevando para mais de 100 mil o total de soldados norte-americanos no Afeganistão. Desta vez, o homem que, segundo a comissão do Nobel, "se esforça para fortalecer a diplomacia e a cooperação entre os povos", terá de optar entre mobilizar ou não mais militares para o Afeganistão, sabendo que centenas ou talvez milhares destes jovens serão mortos.

AE, Agencia Estado

11 de outubro de 2009 | 08h06

O resultado desta estratégia para uma guerra que conta com o apoio de apenas 40% dos norte-americanos divide o seu governo e o espectro político do país. De um lado, com o apoio do secretário da Defesa, Robert Gates, e de parlamentares republicanos, o comandante das forças dos EUA no Afeganistão, general Stanley McChrystal, pede a ampliação do contingente. Do outro, alguns políticos democratas, incluindo o vice-presidente, Joe Biden, defendem que a ofensiva seja progressivamente reduzida a operações de contraterrorismo planejadas para derrotar a Al-Qaeda, sem se importar tanto com o Taleban.

Na campanha, Obama argumentava que, diferentemente do Iraque, a guerra no Afeganistão era justa. Ao assumir, decidiu enviar 21 mil soldados para o território afegão, aumentando para 68 mil o total de norte-americanos presentes no país, número considerado insuficiente por McChystal, que pede a ampliação do contingente. Sem as tropas adicionais, avalia o general, não será possível derrotar o Taleban e a Al-Qaeda.

A secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, concorda com a necessidade de enviar mais soldados, mas não os 40 mil propostos pelo comandante das forças americanas. Já Biden argumenta que os EUA, por enquanto, devem manter o atual contingente, mas aumentando o uso de aviões não-tripulados e de forças especiais que têm obtido sucesso em operações de contraterrorismo. Dos 20 militantes mais procurados da Al-Qaeda, 11 foram mortos desde julho de 2008 em ações deste tipo. Nesta estratégia, seria levado em conta que o Taleban é um problema doméstico do Afeganistão que não oferece risco aos EUA. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAAfeganistãoguerraBarack Obama

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.