Nobel de Literatura diz que censurar às vezes é preciso

O Prêmio Nobel de Literatura deste ano, Mo Yan, comparou nesta quinta-feira a censura às averiguações de segurança realizadas nos aeroportos pelo mundo, sugerindo se tratar de um ato desagradável, mas necessário. Os comentários do escritor chinês foram feitos em Estocolmo, onde receberá na próxima semana o Nobel de Literatura.

AE, Agência Estado

06 de dezembro de 2012 | 12h05

Mo Yan, primeiro escritor chinês a ser agraciado com o Nobel, disse não acreditar que a censura deva ser usada para impedir a divulgação da verdade, mas pode ser empregada - e às vezes chega a ser necessária - para impedir a disseminação de rumores e de difamações. As informações são da Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
SuéciaNobelliteraturaMo Yan

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.