Nokia sofre boicote por ''apoio''

Consumidores iranianos decidiram boicotar os produtos da finlandesa Nokia, maior fabricante de celulares do mundo, por sua suposta colaboração à repressão dos protestos após as eleições presidenciais no Irã. A Nokia-Siemens vendeu sistemas de monitoramento de comunicações ao governo do presidente Mahmoud Ahmadinejad durante a crise. De acordo com comerciantes em Teerã, as vendas de produtos da empresa caíram pela metade depois que o boicote começou. Manifestantes estão até evitando enviar mensagens de texto em protesto contra a cumplicidade das telefônicas com o governo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.