Nordeste de Atenas vive nova noite com florestas em chamas

Prefeitura de Atenas está em estado de emergência e autoridades concentram forças para apagar o incêndio

EFE

23 de agosto de 2009 | 01h47

Os habitantes das povoados da Prefeitura do nordeste de Atenas passaram uma segunda noite de pesadelo com as chamas de um extenso incêndio que arrasou nas últimas horas centenas de hectares de florestas e queimou dezena de casas. O fogo que arde sem cessar nas últimas 32 horas se aproximou a 15 quilômetros de Atenas, rodeando o monte de Pendelis.

 

Os sinos das igrejas dos povoados da região afetada soaram continuamente durante a noite do sábado, pondo em alerta os poucos habitantes que permaneceram no local para combater as chamas e proteger seus bens. A Prefeitura de Atenas se encontra em estado de emergência e as autoridades concentraram suas forças para apagar o incêndio, que avança nas últimas horas em um perímetro de 80 quilômetros, segundo um primeiro cálculo dos bombeiros.

 

Os chefes das comunidades afetadas protestavam na madrugada deste domingo nos canais de televisão sobre a falta de ajuda por parte dos bombeiros por terra. O prefeito regional da região leste de Atenas, Leonidas Kuris, declarou aos meios que "a situação é difícil devido aos ventos", que se espera alcancem uma força de 60 km/h.

 

A imprensa eletrônica qualifica a situação como "catástrofe bíblica" que pela segunda vez em dois anos destruiu a vegetação e as residências dos entornos da capital grega. Nas ilhas Karisto e Skiros estão em desenvolvimento sérios incêndios no começo da manhã deste domingo, segundo informou o serviço de bombeiros.

 

Durante toda a noite mais de 300 bombeiros e soldados do Exército com veículos e carros-tanque combateram as chamas à espera de que pudessem decolar 8 helicópteros e 11 aviões-tanque disponíveis ao amanhecer. O Governo concentrou sua atenção em "proteger vidas humanas", segundo afirmou no sábado à noite o primeiro-ministro grego, Costas Caramanlis.

Tudo o que sabemos sobre:
ATENASINCÊNDIO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.