Norte-americanos vão à Coréia do Norte discutir questã nuclear

Um grupo de autoridades norte-americanaslideradas por um enviado do Departamento Estado para questõesnucleares chegou à Coréia do Norte na terça-feira para discutire verificar a declaração do país de que empreende atividadesnucleares, mesmo sob um acordo de desarmamento ratificado porseis países. Ao chegar à Coréia do Sul na segunda-feira, o diplomata dosEstados Unidos, Sung Kim, disse que sua equipe se reuniria comdiplomatas e especialistas em energia nuclear da Coréia doNorte nos três dias em que ficarão no país. "Queremos ter uma discussão detalhada sobre todos osaspectos da declaração", disse Kim a repórteres na Coréia doSul. Kim e sua equipe entraram no Norte pela fronteira quesepara as duas Coréias, disseram autoridades. A Coréia do Norte não apresentou o inventário de suasatividades nucleares, atrapalhando a implementação de um acordofeito em 2005, no qual o país asiático se comprometeu aabandonar todos os programas nucleares em troca de auxílio ereconhecimento diplomático. O acordo, feito por seis países, foi ratificado pelas duasCoréias, além dos Estados Unidos, Japão, Rússia e China. A declaração se deve em parte à recusa do país em discutirqualquer suspeita de transferência de tecnologia nuclear àSíria e em confirmar se procura enriquecer urânio ou não. Fontes relacionadas à questão disseram que os EstadosUnidos manifestariam sua preocupação em relação aoenriquecimento de urânio e a proliferação nuclear eacrescentaram que a Coréia do Norte iria "tomar conhecimento"da preocupação norte-americana. Pyongyang divulgaria a declaração praticamente ao mesmotempo em que os Estados Unidos começassem a remover sanções àCoréia do Norte, como a inclusão do país na lista de apoiadoresde terroristas, disseram as fontes. (Reportagem de Jack Kim e Jon Herskovitz)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.