Norte-coreanos andam a pé por falta de energia

Os pés são o principal meio de locomoção em Pyongyang. Multidões ocupam as ruas da cidade todos os dias, caminhando para o trabalho, a escola ou a casa. O sistema de transporte público é precário e a situação é agravada pela escassez de energia. Não há eletricidade para os trólebus nem diesel para os ônibus. As filas nos pontos são intermináveis. Os que conseguem entrar, se espremem como podem. Diante da dificuldade, a maioria prefere caminhar.

TONGCHANG-RI, COREIA DO NORTE, O Estado de S.Paulo

09 de abril de 2012 | 03h03

Há bicicletas, mas muito menos do que na China. As motocicletas, onipresentes em outros países pobres da Ásia, são raras em Pyongyang, provavelmente pela falta de combustível. A precariedade da infraestrutura é visível em todos os lugares. O trem que levou os jornalistas estrangeiros de Pyongyang ao centro de lançamento de Tongchang-ri demorou cinco horas para percorrer o trajeto de 200 quilômetros, o que dá uma velocidade de 40 km/h.

Da janela, a paisagem era desoladora e monótona. Vilas rurais com casas de alvenaria brancas e janelas azuis se sucediam, em um cenário quase desprovido de áreas verdes. Com o fim do inverno, campos estavam sendo arados para o novo plantio, em uma terra pouco fértil. As mais sofisticadas máquinas dos camponeses são tratores que parecem saídos de um desenho dos anos 50. Mesmo assim, são raros. O trabalho é manual ou realizado com a ajuda de bois - e mesmo os animais não são abundantes. / C.T.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.