Norte-coreanos queimam notas em protesto à reforma cambial

Governo promoveu troca surpresa de moeda nacional; população não sabe se vai receber dinheiro de volta

Agência Estado e Associated Press,

04 de dezembro de 2009 | 12h15

Manifestantes queimaram pilhas de notas de dinheiro antigas na Coreia do Norte em protesto contra a decisão surpresa do governo de renomear a moeda nacional, informou nesta sexta-feira, 4, um site de notícias, em um sinal de crescente frustração dos cidadãos que ficarão com centenas de notas sem valor.

 

Na segunda-feira, o governo comunista informou os cidadãos e as embaixadas estrangeiras de que iria renomear a moeda nacional, o won. Mas o governo limitou o montante máximo de notas antigas que podem ser convertidas nas novas, avisando os residentes para depositar o restante em bancos controlados pelo governo, segundo relatos da mídia e diplomatas. Os norte-coreanos não sabem se conseguirão receber seu dinheiro de volta.

 

Cidadãos irritados queimaram pilhas de notas antigas em dois locais separados na cidade costeira de Hamhung, na segunda-feira, informou o Daily NK, site de notícias com foco em assuntos norte-coreanos, na quinta-feira à noite, citando um morador norte-coreano não identificado.

 

Segundo o site, o residente afirmou ter visto grafites e panfletos criticando o líder da Coreia da Norte, Kim Jong Il, dentro e nos arredores de uma faculdade em Hamhung - um acontecimento raro em um país onde o governo totalitarista mantém controle acirrado sobre as 24 milhões de pessoas.

 

O jornal sediado em Tóquio Choson Sinbo publicou nota citando o banco central da Coreia do Norte de que a reforma visava impulsionar o país como "potência econômica socialista". A nova nota da Coreia do Norte traz o retrato do fundador do país, Kim Il Sung, pai de Kim Jong Il, segundo imagem publicada no jornal.

 

A Coreia do Norte estabeleceu uma taxa de conversão de 100 wons antigos para cada won novo. Inicialmente, os residentes só poderiam trocar 100 mil wons por família para a nova moeda, mas o governo posteriormente elevou a quantia, permitindo que cada membro da família trocasse mais 50 mil wons antigos por novos, segundo relatos da mídia.

 

A reforma do won - a mais drástica em 50 anos - parece ter como objetivo conter a inflação crescente e colocar pressão sobre os mercados de rua que surgiram. O governo também está retomando o controle da economia das mãos dos comerciantes, disseram analistas.

 

A repentina mudança da moeda provocou pânico e desespero entre os norte-coreanos, levando à morte de um homem em uma disputa sobre se ele deveria pagar sua dívida em notas antigas ou novas. Um casal de comerciantes com cerca de 60 anos de idade também se matou na província North Hamgyong, após tomarem conhecimento da reforma cambial, de acordo com o Daily NK.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.