Noruega contém vazamento de óleo;ambientalistas temem por Ártico

Os ventos favoráveis devem impedir que umamancha de óleo com 23 quilômetros quadrados atinja a costanorueguesa na quinta-feira, mas o mar agitado prejudica aoperação de limpeza, segundo a empresa StatoilHydro. Jornais locais discutiram os riscos de se abrir novas áreasnas águas norueguesas à exploração de gás e petróleo, falandoem uma "bomba ambiental", especialmente no Ártico, ondevazamentos teriam impacto maior. O segundo maior vazamento da história da Noruega, cerca de25 mil barris, ocorreu na quarta-feira, quando um navio-tanqueera carregado no campo de Stafjord, que pertence àStatoilHydro. O vazamento equivale a cerca de um décimo doacidente com o navio Exxon Valdez, ocorrido em 1989 na costa doAlasca e que se tornou parâmetro para esse tipo de acidente. "Os cálculos da StatoilHydro sugerem que a mancha de óleoestá se dissolvendo e não vai atingir a costa", disse a empresaem nota. Durante a noite, o vento empurrou lentamente a manchapara nordeste, levando-a para o vizinho campo de Snorre. Se o tempo permitir, a StatoilHydro pretende realizar umalimpeza mecânica, com a ajuda de quatro barcos que deveriamchegar na manhã de quinta-feira a essa área do mar do Norte. Um assessor de imprensa disse que o petróleo do campo deStatfjord é leve, o que facilita sua dissolução. Ambientalistas viram no vazamento um alerta contra aexploração no extremo norte dos mares da Noruega e de Barents,onde as duras condições climáticas dificultariam a dissoluçãoou limpeza do petróleo que eventualmente vazar. "Este deveria ser o prego final no caixão da exploração nonorte", disse Guro Haugen, diretor de questões climáticas eenergéticas da ONG ambiental Bellona, ao jornal Dagsavisen. A Noruega cogita abrir amplos trechos do oceano Ártico àexploração petrolífera a partir de 2009. REUTERS CS

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.