Noruega oferece US$ 4,6 bi ao FMI para empréstimos

A Noruega informou neste sábado que ofereceu um auxílio ao Fundo Monetário International (FMI) de 30 bilhões de coroas norueguesas (US$ 4,6 bilhões) para ajudar os países da região, como os vizinhos Islândia e Letônia, a superar a crise financeira.

AE-AP, Agencia Estado

28 de março de 2009 | 17h49

Em comunicado, a ministra das Finanças da Noruega Kristin Halvorsen disse que a crise "pede por um FMI com uma capacidade de empréstimo adequada. É natural para a Noruega, que possui reservas internacionais consideráveis, contribuir para esse fim".

Na sexta-feira, Halvorsen enviou uma carta ao diretor gerente do FMI, Dominique Strauss-Kahn, dizendo que seu país estava pronto para colocar mais dinheiro a disposição.

Halvorsen também informou Strauss-Kahn a posição da Noruega para a próxima reunião do G-20 na semana que vem, em Londres, ao afirmar que considera fundamental que as decisões tomadas no encontro sejam ancoradas em instituições multilaterais como o FMI, bancos de desenvolvimento multilateral e nas Nações Unidas. Segundo Halvorsen, a crise expôs falhas "na regulação e supervisão dos sistemas financeiros em diversos países", e os esforços agora precisam ser concentrados na administração da crise e em meios para evitar que isso ocorra novamente. "Há muitas lições que devem ser aprendidas para a formulação da política macroeconômica", afirmou a ministra em carta, notando que o FMI precisa ter um papel mais forte na fiscalização dos mercados financeiros de todo o mundo.

Em um comunicado separado, Strauss-Kahn saudou a oferta da Noruega, dizendo que está ansioso para discutir a "dimensão final e a forma do auxílio". "Esperamos que outros países agora possam fornecer seu apoio aos nossos esforços para restaurar a estabilidade na economia global".

Tudo o que sabemos sobre:
NoruegaFMIemergentes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.