Noruega procura câmera com a qual Breivik teria filmado massacre

Sobreviventes do ataque relataram que atirador usou uma câmera durante o ataque na ilha de Utoya

Efe

10 de agosto de 2011 | 10h48

BERLIM - A polícia norueguesa procura a câmera com a qual o autor do duplo atentado de Oslo, o ultradireitista Anders Behring Breivik, teria filmado pelo menos parte do massacre no acampamento dos jovens social-democratas da ilha de Utoya.

 

Segundo o jornal alemão Süddeutsche Zeitung, vários sobreviventes do massacre relataram que o assassino filmou o tiroteio na ilha, no qual morreram 69 pessoas, a maioria adolescentes.

 

A polícia continua buscando esse material e outras possíveis pistas na ilha, que permanece interditada semanas depois do duplo atentado, perpetrado por Breivik em 22 de julho.

 

Nos ataques morreram 77 pessoas, oito delas por conta da explosão de um carro-bomba no complexo governamental de Oslo e as outras 69 no tiroteio na ilha, localizada a 40 quilômetros da capital.

 

A polícia norueguesa admitiu na terça-feira ter cometido um erro após receber o primeiro pedido de ajuda de Utoya, já que foi escolhido um trajeto mais longo do que o necessário, segundo informações do canal público norueguês NRK.

 

Breivik se entregou após mais de uma hora de intenso tiroteio e enquanto as centenas de adolescentes que participavam do tradicional camping fugiam apavorados e enviavam mensagens de socorro de seus telefones celulares aos seus parentes e à Polícia.

 

Segundo relatou a imprensa norueguesa, o próprio Breivik ligou para as autoridades para se entregar, apresentando-se como "comandante" de um "movimento de resistência anticomunista contra a islamização".

 

O autor do duplo atentado permanece isolado desde sua detenção, vigiado 24 horas ao dia para evitar que tente se suicidar ou que seja atacado por outros prisioneiros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.