Bloomberg photo by John Taggart
Bloomberg photo by John Taggart

Nos bastidores, filha Ivanka incentivou mudança de tom de Trump

Pronunciamento mais importante do primeiro mês de Trump na Presidência foi produto de um esforço de 10 dias com seus principais assessores

O Estado de S.Paulo

02 de março de 2017 | 14h02

WASHINGTON - Nos bastidores da Casa Branca, Ivanka Trump, filha do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, foi uma firme defensora do tom mais comedido e menos combativo que seu pai adotou no discurso que fez ao Congresso na noite de terça-feira, de acordo com autoridades do governo norte-americano.

O pronunciamento mais importante do primeiro mês de Trump na Presidência foi produto de um esforço de 10 dias com seus principais assessores.

Embora não tenha revelado nenhuma mudança significativa em suas políticas, o tom de sua fala foi bem diferente do sombrio discurso de posse sobre a "carnificina americana" no dia 20 de janeiro.

O presidente abandonou parte de sua retórica explosiva, uma constante em suas primeiras semanas no cargo, e fez um pedido por união nacional, evitando renovar os ataques a opositores democratas e a organizações de mídia.

Pesquisas realizadas imediatamente após o discurso mostraram que uma maioria clara dos norte-americanos aprovou a abordagem mais amena, e assessores disseram que Trump ficou animado com a reação.

Uma autoridade de alto escalão da Casa Branca disse que Ivanka fez recomendações para o discurso durante uma reunião no Salão Oval no domingo, ajudando seu pai a decidir uma nova abordagem com o objetivo de aplacar aqueles que questionam se ele tem o temperamento certo para governar de forma eficaz.

"Ele tinha muitas vozes a seu redor lhe dando ideias e sugestões que incorporou, mas ele realmente estava determinado a encontrar aquele tom otimista, e isso foi algo que ela apoiou. Ela o incentivou a fazê-lo", disse um funcionário, falando sob condição de anonimato. "Ela teve um papel", afirmou outro. "Ela ajudou a dar o tom"./ REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.