Nos EUA, aliados e opositores criticam novo plano

A estratégia do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, para o Afeganistão vem recebendo críticas de opositores e aliados. Entre os republicanos, a insatisfação é por causa da demora para tomar a decisão e pela determinação de um prazo, ainda que não específico, para o início da retirada. Já alguns democratas dizem que os custos do conflito serão elevados e o foco da guerra ao terror está no Paquistão.

AE, Agencia Estado

02 de dezembro de 2009 | 08h43

O ex-vice-presidente Dick Cheney disse ontem que os afegãos comuns prestam mais atenção no prazo para retirada - e não na estratégia para vencer. "Essas pessoas começam a procurar maneiras de se acomodarem com seus inimigos. les estão preocupados porque os EUA não estarão presentes por muito tempo e os homens maus estarão", disse. Segundo Cheney, Obama peca pela indecisão e por levar em conta pequenas questões políticas na hora de agir.

Alguns democratas, como o vice-presidente Joe Biden, argumentam que o ideal seria deixar de lado o combate ao Taleban, considerado um problema local do Afeganistão, e focar-se em ações cirúrgicas contra a Al-Qaeda no Paquistão, que já são levadas adiante por aviões não-tripulados. Nas últimas semanas, Biden amenizou o tom para entrar em sintonia com Obama.

O general Karl Eikenberry, atual embaixador dos EUA em Cabul e ex-comandante das Forças Americanas, concorda com o risco de elevar o contingente e adverte sobre o aumento na insatisfação dos soldados norte-americanos no Afeganistão. Eikenberry também cita a ausência de um parceiro no lado afegão. Assim como muitos no governo Obama, ele não considera o presidente Hamid Karzai uma pessoa confiável, especialmente após as fraudes nas eleições presidenciais.

Outros democratas alertam para o elevado custo da operação, estimado em US$ 40 bilhões, em uma operação cujo sucesso é incerto. Eles defendem que o presidente se preocupe mais com questões internas, como a aprovação da reforma do sistema de saúde. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAestratégiaplanocríticas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.