Nos EUA, ativista chinês pede combate à injustiça

O ativista chinês Chen Guangcheng desembarcou na noite deste sábado nos EUA, após anos de cadeia e depois de fugir da prisão domiciliar e se refugir na embaixada norte-americana em Pequim, causando uma delicada disputa diplomática entre os dois países.

Agência Estado

20 Maio 2012 | 12h32

Retirado do hospital e colocado em um avião ontem, após as autoridades chinesas o avisarem de repente para arrumar suas malas e se preparar para partir, ao chegar nos EUA Chen cumprimentou seus novos colegas da Universidade de Nova York e renovou seu pedido de uma luta contra a injustiça.

"Eu acredito que não importa quão difícil seja o ambiente, nada é impossível se você coloca seu coração naquilo", disse ele para uma pequena multidão na universidade, pouco após desembarcar no aeroporto internacional de Newark. "Nós devemos unir nossos braços para continuar lutando pela bondade no mundo e lutar contra a injustiça".

Ele foi recebido com aplausos no complexo de apartamentos de estudantes da Universidade de Nova York, onde vai morar com sua família enquanto frequenta o curso de Direito. "Nos últimos sete anos, eu nunca tive um dia de descanso. Então eu vim aqui para uma pequena recuperação do corpo e do espírito", comentou.

O ativista, que é cego, agradeceu os governos dos EUA e da China, além das embaixadas da Suíça, Canadá e França. "Depois de muita turbulência, eu consegui sair de Shandong", disse, se referindo à província chinesa onde cumpria pena de prisão domiciliar. Segundo ele, os EUA o concederam direitos parciais de cidadania.

A chegada de Chen, sua mulher e seus dois filhos aos EUA marca o fim de quase um mês de incertezas e anos de maus-tratos por parte das autoridades locais. Após anos de repressão, ele fugiu em abril da prisão domiciliar em um vilarejo rural e recebeu abrigo na embaixada dos EUA. Na ocasião, a secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, estava em Pequim para reuniões bilaterais, o que causou um embaraço diplomático. Finalmente um acordo para permitir que ele viajasse aos EUA foi alcançado, após muita negociação.

Já em Nova York, Chen disse que as autoridades chinesas prometeram proteger seus direitos como cidadão do país. "Eu estou muito satisfeito de ver que o governo chinês está lidando com a situação com prudência e calma, e eu espero ver que eles continuarão a abrir um diálogo e ganhar o respeito e a confiança do povo". As informações são da Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
Guangcheng cego Hillary Clinton

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.