Kim Raff/NYT
Kim Raff/NYT

Nos EUA, dois congressistas testam positivo para o coronavírus

Deputados Mario Diaz-Balart, da Flórida, e Ben McAdams, de Utah, desenvolveram sintomas na noite de sábado, menos de 24 horas depois de andarem pela Câmara lotada, onde participaram de votação

Redação, O Estado de S.Paulo

19 de março de 2020 | 18h06

WASHINGTON - Dois membros do Congresso americano disseram na quarta-feira, 19, que testaram positivo para o coronavírus, forçando outros parlamentares que tiveram contato com eles a entrarem em quarentena.

Os parlamentares, primeiros a contraírem o vírus, são Mario Diaz-Balart, da Flórida, e Ben McAdams, de Utah. Eles disseram que começaram a desenvolver sintomas na noite de sábado, menos de 24 horas depois de trabalharem na Câmara e participarem da votação de um pacote relacionado ao coronavírus.

Pouco depois do anúncio, na quarta-feira, o deputado Steve Scalise, da Pensilvânia, que é o número 3 na liderança do Partido Republicano, e o deputado Drew Ferguson, da Geórgia, disseram que entrariam em quarentena por duas semanas.

Scalise, que foi gravemente ferido em um tiroteio em Alexandria, Virgínia, em 2017, disse que teve uma longa reunião com Diaz-Balart na semana passada. Ferguson não identificou com qual legislador teve contato. Os dois consultaram o médico assistente do Congresso.

Diaz-Balart, 58 anos, decidiu se colocar em quarentena em seu apartamento em Washington, em vez de retornar à Flórida após a votação, porque sua esposa faz parte do grupo de risco, informou seu escritório.

"Quero que todos saibam que estou me sentindo muito melhor. No entanto, é importante que todos levem isso muito a sério e sigam as diretrizes do CDC para evitar adoecer e mitigar a propagação deste vírus. Devemos continuar trabalhando juntos para emergir mais forte como país durante esses tempos difíceis", disse Diaz-Balart.

McAdams, 45, voltou para casa no sábado depois da votação da Câmara. No domingo, não se sentindo melhor, ele se colocou em quarentena. McAdams desenvolveu febre, tosse seca e dificuldade para respirar.

"Na terça-feira, meu médico me instruiu a fazer o teste da covid-19 e, após o encaminhamento dele, fui à clínica local para o teste", disse. Ao anunciar sua doença, McAdams instou seus eleitores a levar a ameaça a sério e seguir a orientação de especialistas em saúde. /WP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.