Nos EUA, Pentágono escapa de cortes no orçamento

O Pentágono saiu praticamente ileso do anúncio do orçamento da Casa Branca para o ano fiscal de 2011, na segunda-feira. Com duas guerras nas costas, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, anunciou gastos de até US$ 708 bilhões para área de Defesa.

AE, Agencia Estado

03 de fevereiro de 2010 | 07h52

O principal montante desse valor, que supera em 2,1% o do ano anterior, deve ser direcionado para o desenvolvimento de armamentos convencionais. O objetivo é adequar os gastos dos EUA na área militar aos desafios que as Forças Armadas têm enfrentado nos atuais conflitos no Afeganistão e no Iraque, nos quais algumas armas bastante caras têm pouca serventia.

Na avaliação da administração atual, o país precisa se preparar para os atuais conflitos. Alguns dos armamentos em desenvolvimento que consomem a maior parte do orçamento militar são úteis para guerras tradicionais. Mas, ao contrário do que ocorria na Guerra Fria, os inimigos dos EUA não são só Exércitos, mas organizações terroristas ou milícias armadas como a Al-Qaeda e o Taleban.

Um destes programas considerados ultrapassados envolve a fabricação dos caças F-35, de custo elevado e pouca função nas operações aéreas no Afeganistão e mesmo no Paquistão. Os projetos para o desenvolvimento desse avião e do cargueiro C-17, da Boeing, só continuam existindo por causa da pressão de congressistas.

Na avaliação do secretário da Defesa, Robert Gates, armas como os drones (aviões não-tripulados) são bem mais úteis do que um caça F-35 para combater a Al-Qaeda e o Taleban. No mesmo dia em que Obama anunciou o orçamento, o chefe do Pentágono também alterou o comando do programa do F-35. No ano passado, a administração Obama também se empenhou para eliminar a fabricação dos caros caças F-22.

Apesar de divergências sobre como gastar o dinheiro do orçamento federal para as Forças Armadas, há consenso entre republicanos e democratas sobre o financiamento das guerras no Afeganistão e no Iraque. Mesmo opositores do conflito sabem ser necessário que se pague por estas guerras até que os soldados retornem, para a segurança deles ser garantida. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAorçamentoPentágono

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.