Nos EUA, republicano retira veto à indicação de Shannon

O veto à nomeação de Thomas Shannon para a Embaixada dos Estados Unidos em Brasília foi retirado ontem pelo senador republicano George LeMieux. A decisão foi tomada após o Departamento de Estado concordar em normalizar a emissão de vistos em Honduras.

AE, Agencia Estado

18 de dezembro de 2009 | 07h25

O nome de Shannon já havia sido vetado pelo senador republicano Joe DeMint, que suspendeu seu impedimento em 5 de novembro. Ele também havia vetado a indicação de Arturo Valenzuela para subsecretário de Estado para o Hemisfério Ocidental. Sem esses dois representantes, o governo norte-americano não tinha nenhum responsável para questões da América Latina, enfrentando dificuldades para lidar com a crise hondurenha.

LeMieux decidiu impor veto, assim que DeMint retirou o seu, por discordar das posições da Casa Branca em relação à crise hondurenha. Representante da Flórida, onde há uma expressiva população hispânica, o senador, assim como a maior parte de seu partido, afirma que a deposição de Manuel Zelaya foi constitucional, posição diferente da do governo Obama.

Para pressionar o governo, o republicano decidiu impor o veto a Shannon com o argumento de que o diplomata, que oficialmente ainda era subsecretário de Estado, participou das negociações para um acordo no impasse hondurenho que não previa a suspensão de restrições ao governo de facto de Honduras, como a emissão de vistos.

Depois de Washington reconhecer a eleição de Porfírio Lobo para a presidência de Honduras, republicanos e a Casa Branca voltaram a se aproximar. Caso nenhum outro senador imponha veto, Shannon deve ser o próximo embaixador dos EUA em Brasília. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAShannonrepublicanoveto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.