EFE/Jose Pazos
EFE/Jose Pazos

Notícias falsas dominam campanha para eleições legislativas no México

Disputa se resume em grande parte a uma batalha entre lados polarizados a favor ou contra a chamada "quarta transformação", projeto do presidente Andrés Manuel López Obrador

Redação, O Estado de S.Paulo

29 de maio de 2021 | 05h00

CIDADE DO MÉXICO - A campanha para as eleições legislativas do México, marcadas para o dia 6 de junho, tem sido dominada por notícias falsas contra candidatos, partidos e instituições. A competição se resume em grande parte a uma batalha entre lados polarizados a favor ou contra a chamada "quarta transformação", projeto do presidente Andrés Manuel López Obrador

A equipe de verificação da France-Presse analisou vários conteúdos nas redes sociais que se mostraram falsos. 

Por exemplo, um meme acusa a candidata do partido no poder ao governo do estado de Nuevo León (norte), Morena, de fechar uma loja de tortilhas que se negou a distribuir propaganda eleitoral. A fotografia era de 2020 e, na verdade, correspondia ao estado de Nayarit (oeste). 

Um vídeo mostra supostos candidatos do oposicionista Partido de Ação Nacional (PAN) sendo repudiados com água durante uma turnê pelo México. A sequência ocorreu durante as eleições locais no Equador, em 2019. 

Uma terceira publicação afirma que durante as eleições a votação acontecerá por meio de "carteiras de identidade" vinculadas à SmartMatic, empresa de apuração supostamente fundada pelo governo venezuelano. Mas a empresa não tem contratos no México para as próximas eleições e a carteira de identidade não será usada. 

Diante de poucas propostas apresentadas, a desinformação, os ataques e os insultos são os mecanismos usados por candidatos que definem a agenda do debate digital no México, segundo especialistas.  "Percebemos uma estratégia deliberada de todos os atores políticos, de todas as campanhas políticas para ampliar essa polarização", explica Abraham Trejo, coordenador do projeto Odio y Concordia, do Colegio de México. 

94 milhões de eleitores

Em junho, serão eleitos 500 deputados federais, 15 governadores estaduais e milhares de legisladores e prefeitos locais nas "maiores eleições da história do país", segundo o órgão eleitoral oficial, o INE. 

O cadastro de eleitores chega a quase 94 milhões de cidadãos, dos quais 3,5 milhões têm menos de 20 anos, e irão votar pela primeira vez. 

Há "muita escassez de propostas e, ao contrário, aumento de ataques, manipulações, notícias falsas", concorda Rossana Reguillo, coordenadora do Signa Lab, parte do Instituto Tecnológico e de Estudos Superiores do Ocidente (ITESO).

Os grupos do Facebook são "o gancho" para entrar nas comunidades do WhatsApp e do Telegram, onde esses conteúdos são amplamente divulgados porque não há regulamentação, explica Trejo.  Reguillo, por sua vez, alerta que "é muito errada" a ideia de que todos os usuários que publicam e replicam são bots. 

"Usar contas automatizadas não é suficiente para esses atores que usam as plataformas de forma maliciosa", explica ele. 

Como o esquema funciona

Quatro personalidades compõem as estratégias em rede: os mestres de cerimônia, que introduzem a narrativa; as contas automatizadas (ou bots) que a amplificam; os "trolls" que atacam alvos específicos e as reforçam; e os "fãs", que são pessoas comuns "seguindo a tendência" sem pensar, acrescenta Reguillo. 

Essas narrativas também interagem com três grupos de usuários. O menor deles, com aqueles que verificam a informação antes de compartilhá-la. 

O segundo e mais numeroso são as pessoas com controles cognitivos fracos que, sem serem maliciosas, facilmente caem na propagação de boatos.  E, por fim, o setor ideologizado, que acreditará em tudo que reafirme suas convicções e lutará contra quem as nega./ AFP

Tudo o que sabemos sobre:
Andrés Manuel López Obrador

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.