Orlando Sierra/AFP
Orlando Sierra/AFP

Nova caravana de migrantes hondurenhos cruza Guatemala com destino aos Estados Unidos

Cerca de 400 homens, mulheres e crianças se reuniram em Corinto, onde romperam cerco da polícia e conseguiram entrar no país vizinho

Redação, O Estado de S.Paulo

15 de janeiro de 2020 | 21h11

CIDADE DA GUATEMALA - Centenas de hondurenhos entraram na Guatemala nesta quarta-feira, 15, após formarem nova caravana de migrantes em busca de melhores condições de vida nos Estados Unidos, apesar das barreiras impostas pelo presidente Donald Trump em colaboração com os governos da América Central. 

Cerca de 400 homens, mulheres e crianças se reuniram em Corinto, na fronteira de Honduras com a Guatemala, mas um contingente policial bloqueou sua passagem. Um oficial pediu que eles fossem ao escritório de migração para se registrar antes de cruzar a fronteira. Mas os migrantes romperam o cerco da polícia e conseguiram entrar na Guatemala. Uma dúzia de policiais guatemaltecos esperava por eles na beira da estrada, mas os deixaram passar. Outros migrantes que mais tarde chegaram a Corinto de San Pedro Sula foram detidos por policiais que pediram documentos. 

A modalidade de migração de caravanas começou em Honduras em 14 de outubro de 2018, com cerca de 2 mil pessoas fugindo do desemprego e a violência de gangues e traficantes de drogas que dominam vastas áreas do território hondurenho.

Ao êxodo em massa se somaram salvadorenhos, guatemaltecos e mexicanos, o que provocou a ira do presidente Trump, que mobilizou militares para reforçar a segurança da fronteira na tentativa de impedir a passagem dos migrantes. 

A colaboração dos governos de El Salvador, Guatemala e México para dificultar o êxodo havia dissuadido os migrantes, motivo pelo qual o comparecimento à nova convocatória surpreendeu. O México informou ontem ao governo guatemalteco que não permitirá a entrada dos migrantes. /AFP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.