Nova imagem de criança ferida ilustra desespero na Síria

Em hospital de campanha, a jovem Ayah chora e grita por seu pai após bombardeio

O Estado de S.Paulo

10 de outubro de 2016 | 20h38

A imagem de uma menina ferida, chorando  e gritando por seu pai após um ataque aéreo à cidade síria de Talbiseh está circulando nas redes sociais e chamando atenção para o desespero das vítimas do conflito na Síria.

Aterrorizada, a menina identificada como Ayah é atendida por funcionários de um hospital de campanha, que limpam o sangue que escorre em seu rosto.

Depois de ser tratada, a jovem Ayah foi reunida com seu pai, informou a TV Talbisah News, controlada por ativistas.

Quatro bombardeios foram lançados contra a cidade ontem, matando duas pessoas e ferindo diversas outras.

Nos últimos meses, as imagens da Síria que vêm sendo divulgadas causam preocupação no mundo com relação às jovens vítimas do conflito.  Em agosto, o vídeo do menino sírio Omran Daqneesh, de 5 anos, sentado em uma ambulância  circulou o mundo todo. Ele foi uma das vítimas de um ataque aéreo contra a cidade de Alepo que deixou 3 mortos e 12 feridos no distrito de Qaterji, controlado por rebeldes e alvo de uma ofensiva aérea por parte do regime de Bashar Assad.

As imagens do menino, divulgadas pelo grupo de oposição Aleppo Media Center, mostram Omran sendo levado para uma ambulância, onde fica sentado com olhar atordoado e com parte do rosto coberta de sangue.No vídeo, ele passa a mão no rosto, olha o sangue antes de limpar a mão no assento.

Em setembro de 2015, em meio à crise dos refugiados, a imagem do pequeno Aylan Kurdi morto em uma praia da Turquia após o naufrágio do barco no qual ele e a família tentavam chegar à Europa para escapar do conflito na Síria, também causou profunda comoção. No entanto, mais de um ano após a morte do menino de 3 anos, quase 500 menores morreram afogados no Mediterrâneo em busca de uma vida melhor, segundo a ONG Save The Children.

Tudo o que sabemos sobre:
SíriaAylan KurdiTurquiaEuropaONG

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.