Nova-iorquinos terão leis mais rigorosas sobre fumo e bebida

Os nova-iorquinos deverão respeitar este ano leis mais rigorosas sobre o fumo em lugares públicos e de álcool durante a condução de veículos, após a assinatura, ontem, de duas normas referentes ao assunto. O prefeito de Nova York, Michael Bloomberg, referendou uma emenda à lei Smoke-Free Air, que estende a proibição de fumar em lugares públicos a bares, restaurantes e clubes noturnos, entre outros estabelecimentos com empregados assalariados. Os fumantes afirmam que a lei viola seus direitos e alguns proprietários de bares e casas noturnas dizem que isso vai tirá-los do negócio. Mas Bloomberg, um ex-fumante, considera que proteger os direitos dos fumantes "secundários" é mais importante. "Eu não consigo pensar em qualquer outra coisa que nós, que fomos eleitos para servir o povo, possamos fazer em nossas vidas inteiras que terá o tipo de impacto desta legislação", disse ontem Bloomberg. "Isto conservará literalmente milhares de vidas." O prefeito afirma que a lei protegerá os trabalhadores não-fumantes da cidade "dos efeitos mortais" de inalar a fumaça de cigarros, além de combater doenças associadas ao fumo. A nova norma entrará em vigor em 30 de março e prevê algumas exceções à proibição de fumar, como no caso de locais onde se consomem charutos, bares ao ar livre, salas equipadas com sofisticados sistemas de ventilação ou estabelecimentos freqüentados só por seus proprietários. Direção - Enquanto isso, o governador George Pataki assinou uma legislação que reduz o limite do álcool no sangue de 0,10% para 0,08%, colocando a legislação em conformidade com outros Estados. Ele considera que isso permitiria reduzir em 12% as estatísticas sobre morte no trânsito, evitando pelo menos 40 mortes por ano. A nova lei deve entrar em vigor apenas em novembro, mas o governador promete adiantar esse prazo. "Embora durante os últimos 20 anos tenha se reduzido em Nova York em 71% os acidentes relacionados ao consumo de álcool, uma só morte é muito", afirmou Pataki. Em 1981, houve 1.107 mortes no Estado de Nova York em acidentes causados por motoristas embriagados, enquanto que em 2001 houve 315 vítimas, segundo estimativas oficiais. Os números situam Nova York como o terceiro Estado com menor índice de fatalidades relacionadas com o álcool, depois de Vermont e Utah. A nova norma entrará em vigor em 1º de março e converterá esse Estado no trigésimo segundo dos Estados Unidos a reduzir a 0,08% o nível máximo de álcool permitido aos motoristas.

Agencia Estado,

31 Dezembro 2002 | 16h58

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.