Nova mesquita abre em Granada pela 1ª vez em 500 anos

Mais de 500 anos depois de os reis católicos terem expulsado o último governante mouro da Espanha, dignitários e visitantes muçulmanos participaram hoje da inauguração da primeira mesquita contruída, em cinco séculos, na cidade espanhola de Granada. Dignitários de países árabes e muçulmanos participaram da abertura da Grande Mesquita de Granada, resultado final de um projeto iniciado em 1981. ?Deus é grande?, dizia o principal patrocinador da mesquita, xeque Sultão bin Mohammed al-Qassimi, dos Emirados Árabes Unidos, no momento em que descerrava a placa inaugural. Mais tarde, os fiéis muçulmanos puderam rezar pela primeira vez na nova mesquita. A mesquita oferece uma vista estratégica da região e de uma das mais belas obras arquitetônicas da história: o Palácio de Alhambra, construído no século 14, de onde os califas mouros governaram até serem expulsos pelo rei Ferdinando e pela rainha Isabel em 1492, pondo fim a oito séculos de domínio islâmico sobre o sul da Espanha. Atualmente, Granada tem uma população muçulmana de aproximadamente 15.000 pessoas, uma das maiores comunidades islâmicas da Espanha. Até a inauguração da mesquita, porém, os fiéis muçulmanos rezavam em templos improvisados em apartamentos, garagens e lojas. A nova mesquita é o primeiro grande templo islâmico construído na cidade desde a expulsão do último rei mouro, Boabdil el-Chico, há 511 anos.

Agencia Estado,

10 Julho 2003 | 17h26

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.