AP Photo/Orlando Sentinel, Joe Burbank, Pool, File
AP Photo/Orlando Sentinel, Joe Burbank, Pool, File

Vigia que matou jovem negro nos EUA põe arma à venda

George Zimmerman, que acabou absolvido da acusação de homicídio, queria vender a pistola Kel-Tec PF-9 por US$ 5 mil

O Estado de S. Paulo

13 Maio 2016 | 05h00

WASHINGTON - O ex-vigia George Zimmerman, responsável pela morte do garoto negro Trayvon Martin em 2012 em Sanford, na Flórida, tentou ontem leiloar na internet a arma do crime - que desatou uma onda de protestos nos Estados Unidos contra o racismo.

 

Zimmerman, que acabou absolvido da acusação de homicídio, queria vender a pistola Kel-Tec PF-9 no site GunBroker.com. Minutos antes do início do leilão, no entanto, a venda foi suspensa.

 

“Sentimos muito, mas o artigo que solicitou não está no sistema”, informou o site. Na descrição da pistola, Zimmerman disse que seu leilão era uma oportunidade de possuir uma “peça da história americana”.

“A arma de fogo à venda é a pistola que utilizei para defender minha vida e pôr fim ao brutal ataque de Trayvon Martin”, acrescentou o ex-vigia.

O ex-vigilante voluntário foi absolvido em julho de 2013 da morte de Martin porque o júri popular do tribunal de Sanford (Flórida), onde ocorreu o fato, aceitou a tese de que Zimmerman tinha atuado em legítima defesa.

A morte do adolescente afro-americano e a posterior absolvição de Zimmerman foi o primeiro de uma série de episódios que avivaram o debate nacional sobre as relações raciais nos Estados Unidos, como a morte do jovem negro Michael Brown por um policial branco na cidade de Ferguson, no Missouri.

Na descrição da arma no site de leilões se assegura que muitos expressaram seu interesse em possuí-la e exibi-la, incluindo o Museu Smithsonian.

Após a repercussão gerada pela notícia, o museu emitiu um comunicado no qual rejeitou o suposto interesse pela arma. “Nunca expressamos interesse em comprar a arma de fogo de George Zimmerman e não temos planos para fazê-lo ou mostrá-la em algum museu”, afirmou a instituição.

Zimmerman explica que a arma ainda tem escrito à mão o número do caso da morte de Martin e, após ter sido devolvida a ele recentemente pelo Departamento de Justiça, a pistola se encontra “completamente operacional”.

O leilão, que estava previsto para começar às 11h (horário local, 12h em Brasília), tinha preço inicial de US$ 5 mil.

Após saber da notícia do leilão, a Fundação Trayvon Martin enviou um comunicado ao canal de televisão FOX 51 em Orlando no qual rejeitou fazer comentários sobre as iniciativas de Zimmerman, mas disse que continua comprometida em sua “missão de pôr fim à violência armada sem sentido nos Estados Unidos”./ EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.