Nova primeira-ministra australiana anuncia imigração mais restritiva

País foi o que mais recebeu imigrantes entre os países desenvolvidos nos últimos anos

Efe

27 de junho de 2010 | 03h49

A nova primeira-ministra da Austrália, Julia Gillard, anunciou neste domingo, 27, uma reviravolta nas políticas de imigração em relação às de seu antecessor, Kevin Ruud, e que porá mais restrições à chegada de estrangeiros ao país.

 

"Não acredito em uma 'Grande Austrália' mas em um país sustentável", disse a nova premiê, nascida em Gales (Reino Unido), que substituiu a Rudd na quinta-feira passada, 24, após uma rebelião no Partido Trabalhista.

 

Rudd se manifestou recentemente partidário de uma "Grande Austrália" que levasse seu país de 22 milhões de habitantes atuais para cerca de 35 milhões em 2050, de acordo com uma tendência migratória que atrai 300 mil forasteiros a cada ano.

 

"A Austrália não deveria ir na direção de um grande aumento da população. Precisamos parar, tomar um fôlego e desenvolver políticas para ter um país sustentável", acrescentou Julia em entrevista para o jornal Daily Telegraph.

 

O aumento de população da Austrália nos últimos anos foi de 2%, o mais elevado de todos os países desenvolvidos.

 

A primeira-ministra disse que tal crescimento poderia ser problemático para o país por causa de sua enorme extensão de território desabitado, escassez de água, e necessidades em transporte e estradas.

Tudo o que sabemos sobre:
AustráliaimigraçãoJulia Gillard

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.