EFE/CHRISTIAN ESCOBAR MORA
EFE/CHRISTIAN ESCOBAR MORA

Nova réplica sacode região atingida por terremoto no Equador

Tremor de 6 graus na escala Richter atingiu litoral do Equador a oeste de Jama, uma das localidades mais atingidas pelo terremoto de sábado; número de mortos sobe para 587

O Estado de S. Paulo

22 Abril 2016 | 12h15

QUITO - Uma nova réplica de 6 graus na escala Richter foi registrada na quinta-feira, 21, em um setor do litoral do Equador, na mesma região onde ocorreu o terremoto de magnitude 7,8 no último sábado, que até o momento deixou mais de 580 mortos.

O Instituto Geofísico (IG) da Escola Politécnica Nacional do Equador indicou que a réplica se situou no mar, cerca de 60 quilômetros a oeste de Jama, uma das localidades mais atingidas pelo terremoto de sábado, e a menos de dez quilômetros de profundidade.

A réplica, que de forma preliminar foi mensurada com magnitude 6,3, foi revisada para 6, detalhou uma fonte do IG, que monitora permanentemente a atividade sísmica no país. O tremor foi sucedido por outras réplicas de intensidade menor e foi sentido também na capital Quito e em outras regiões do país.

O IG indicou que, até o momento, foram registradas 657 réplicas do terremoto principal que ocorreu às 18h58 locais (20h58 de Brasília) de sábado, 16, e cujo epicentro se situou entre as cidades de Cojimíes e Pedernales, na província litorânea de Manabí, no noroeste do país.

O presidente equatoriano, Rafael Correa, disse no Twitter que três tremores secundários foram registrados na noite de quinta-feira, acrescentando "sejam fortes!".

"Estamos tentando sobreviver. Precisamos de comida", disse Galo Garcia, advogado de 65 anos, enquanto esperava em uma fila para receber água de um caminhão em um vilarejo litorâneo do cantão de San Jacinto. "Não há nada nas lojas. Estamos comendo os vegetais que cultivamos". Uma multidão próxima exclamava "queremos comida".

Balanço. O número de mortos no terremoto no Equador chegou a 587 e o de feridos a 8.340, segundo os últimos dados divulgados pela Secretaria Nacional de Comunicação (Secom).

A Secom esclareceu que o número de feridos responde aos "atendidos" por serviços médicos desde sábado. Segundo a fonte, há 113 pessoas resgatadas com vida, enquanto 153 permanecem desaparecidas e 25.376 estão em albergues.

O governo socialista de Correa, que enfrenta uma tarefa de reconstrução monumental em um momento de perda de arrecadação devido à queda no preço do petróleo no país-membro da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), disse não haver carência de suprimentos, só problemas na distribuição que devem ser resolvidos rapidamente.

Correa afirmou que o Equador irá aumentar alguns impostos temporariamente, oferecer ativos para venda e possivelmente emitir títulos no exterior para custear a reconstrução após o tremor do sábado. Ele estimou os danos entre US$ 2 bilhões e US$ 3 bilhões. / EFE e REUTERS

Mais conteúdo sobre:
Rafael Correa Equador Terremoto

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.