Nova revolta xiita se espalha pelo Iraque

Forças lideradas pelos Estados Unidos se envolveram, pelo segundo dia consecutivo, em combates com milicianos xiitas em várias cidades do sul do Iraque. Segundo militares americanos, 300 milicianos leais ao clérigo radical Muqtada al-Sadr teriam sido mortos desde quinta-feira na cidade sagrada de Najaf, nos combates mais intensos desde a queda de Saddam Hussein. Líderes da milícia Exército Mahdi garantem ter perdido apenas nove militantes em Najaf.Os confrontos também causaram a morte de dezenas de outros iraquianos em várias cidades, segundo autoridades e milicianos. Os combates ameaçam reacender a sangrenta insurreição xiita de dois meses que terminou com uma trégua meses atrás. Os combates se espalharam para Nassiriya, onde insurgentes atacaram tropas italianas e romenas, e Samarra, onde guerrilhas atacaram um comboio militar americano. Na cidade de Amarah, militantes xiitas tomaram quatro delegacias de polícia, mas foram posteriormente expulsos por forças britânicas. Combates ocorreram na madrugada no bairro Cidade Sadr, de Bagdá, onde 20 pessoas morreram e 114 ficaram feridas em dois dias de confrontos. Ataques distintos atribuídos a seguidores de al-Sadr feriram 15 soldados americanos em Bagdá. Em meio à violência, assessores de al-Sadr pediram a volta à trégua que desmoronou na quinta-feira e exigiram uma intervenção das Nações Unidas e do governo iraquiano. "Pedimos ao governo - que tem dito que é soberano - para intervir e parar os ataques americanos", afirmou Mahmoud al-Sudani, um porta-voz de al-Sadr.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.