Craig Ruttle/AP
Craig Ruttle/AP

Nova York vai intensificar segurança seguindo ameaças, diz prefeito

Michael Bloomberg disse que ameaças precisam ser levadas a sério; ataques completam 10 anos domingo

08 Setembro 2011 | 23h30

ESPECIAL: Dez Anos do 11 de Setembro

 

Atualizado às 23h52

 

NOVA YORK - O prefeito de Nova York, Michael Bloomberg, disse na noite desta quinta-feira, 8, que a cidade vai intensificar as medidas de segurança por conta da proximidade do aniversário de 10 anos dos ataques de 11 de setembro de 2001, no domingo.

 

Veja também:

blog RADAR GLOBAL: Um em cada 4 americanos ainda teme aviões

documento ESPECIAL: Dez anos do 11 de Setembro

som ESTADÃO ESPN: Série especial

forum PARTICIPE: Onde você estava quando soube dos atentados?

 

Bloomberg falou em uma coletiva de imprensa ao lado do comissário da Polícia de Nova York, Raymond Kelly. O prefeito se referiu a ameaças divulgadas hoje por conta do aniversário. Segundo o prefeito, "nos tempos atuais é necessário tomar seriamente essas ameaças".

 

Bloomberg, que assumiu meses após os ataques contra a cidade, disse ainda que o Departamento de Polícia vai destacar "recursos adicionais" na cidade. Ele não deu detalhes, mas disse que "vocês (cidadãos novaiorquinos) se darão conta de alguns e de alguns, não".

 

Mais cedo, autoridades disseram que os Estados Unidos têm informações "críveis, mas não confirmadas" sobre uma possível ameaça terrorista próxima do 10º aniversário dos atentados. As ameaças estariam ligadas a Nova York e Washington, mas outras cidades não estariam excluídas.

 

Postos de controle, cachorros e revistas

 

Kelly, comissário de polícia da cidade, anunciou algumas das medidas. Segundo ele, haverá postos de controles em algumas ruas, "bem como uma vigilância maior" em alguns locais da cidade, prédios públicos e pontes.

 

Ele disse também que a revista de bolsas e malas no metrô da cidade será intensificada e o número de cachorros farejadores - para detectar bombar - aumentará nas ruas. O comissário de polícia explicou ainda que vai haver intensificação na remoção de veículos mal estacionados. 

 

Kelly e Bloomberg fizeram ainda um apelo para que as pessoas fiquem mais vigilantes e avisem as autoridades a respeito de eventuais atos suspeitos. "Se virem algo, digam", pediram.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.