Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Peter De Graaf/New Zealand Herald via AP
Peter De Graaf/New Zealand Herald via AP

Nova Zelândia suspende alerta de tsunami após registrar três fortes terremotos

Populações das áreas costeiras chegaram a buscar locais de maior altitude para se abrigar, se afastando das praias e de locais turísticos

Redação, O Estado de S.Paulo

04 de março de 2021 | 18h38
Atualizado 04 de março de 2021 | 23h59

WELLINGTON - A Nova Zelândia registrou nesta quinta-feira, 4, ao menos três terremotos de magnitude superior a 7 na escala Richter (que vai até 10). O mais forte foi o terceiro, de magnitude 8,1, registrado às 8h28 (de sexta-feira na hora local, e 16h28 desta quinta, em Brasília). 

O alerta de tsnunami foi emitido após o primeiro sismo, de 7,2, com epicentro a 105 km de Te Araroa, a leste da Ilha Norte, mas retirado pouco depois. Em seguida, o país registrou um segundo terremoto de 7,4 e o terceiro, quando as autoridades neozelandesas decidiram então retomar o alerta de tsunami.

Na noite desta quinta-feira (hora de Brasília), o governo do país retirou o alerta de tsunami dizendo que o perigo de grandes ondas já havia passado. 

A Agência Nacional de Gerenciamento de Emergências da Nova Zelândia emitiu alerta de tsunami para as áreas costeiras do país. As populações dessas regiões foram orientadas e chegaram a se deslocar para locais de maior altitude para se abrigar.

Mais cedo, o Centro de Alerta de Tsunami do Pacífico também emitiu um aviso de tsunami para as ilhas do Havaí e um boletim de atenção para possíveis tempestades em todo o arquipélago havaiano.

Embora os terremotos tenham acionado sistemas de alerta, nenhum deles representou uma ameaça generalizada a vidas ou infraestruturas importantes. 

O Sistema de Alerta de Tsunami dos EUA previu ondas de 1 a 3 metros na Polinésia Francesa e de até 1 metro em Niue, Nova Caledônia e Ilhas Salomão.

O Serviço Geológico dos Estados Unidos informou que o terremoto mais forte teve epicentro nas remotas ilhas Kermadec, a uma profundidade de 19 quilômetros.

Os primeiros terremotos foram sentidos nas principais cidades de Auckland, Wellington e Christchurch e os residentes relataram ter acordado com os tremores. 

Em 2011, um terremoto de magnitude 6,3 registrado na cidade de Christchurch matou 185 pessoas e destruiu grande parte do centro da cidade./AP, AFP 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.