AFP PHOTO / WIKILEAKS
AFP PHOTO / WIKILEAKS

Nova Zelândia espionou vizinhos do Pacífico Sul, diz denúncia

Segundo documentos vazados pelo ex-técnico da NSA Edward Snowden, informações foram compartilhadas com os EUA

O Estado de S. Paulo

05 Março 2015 | 09h29

WELLINGTON -  Os serviços de Inteligência da Nova Zelândia interceptaram as comunicações eletrônicas de seus vizinhos insulares no Pacífico Sul e compartilharam essas informações com os Estados Unidos, afirma uma denúncia divulgada nesta quinta-feira, 5.

A denúncia, que se baseia nos documentos vazados pelo ex-técnico da Agência Nacional de Segurança (NSA) dos Estados Unidos, Edward Snowden, foi revelada hoje pelo jornalista investigativo neozelandês Nicky Hager, junto com os sites do jornal New Zealand Herald e da publicação americana Intercept.

Os documentos indicam que o Escritório Governamental de Segurança nas Comunicações (GCSB, sigla em inglês) expandiu suas operações de espionagem em 2009, durante o governo de John Key, para monitorar e-mails, mensagens nas redes sociais e telefônicas dos países vizinhos.

"Nos últimos anos, no período do atual governo, passaram de alvos específicos nos Estados do Pacífico Sul para uma nova etapa, na qual eles sugam tudo", disse Hagel à emissora Radio New Zealand.

Os alvos dessas ações de espionagem foram vários funcionários de governo e de agências oficiais, assim como organizações governamentais e não governamentais, de países como Fiji, Tonga, Vanuatu, Samoa, Tuvalu, Nauru e Kiribati, Ilhas Salomão e Nova Caledônia, além da Polinésia Francesa.


"Eles recolhem cada ligação telefônica, cada mensagem eletrônica, que são diretamente remetidas aos bancos de dados da NSA", comentou Hagel, ao explicar que os motivos para essas ações estão vinculados às atividades dos "Cinco Olhos", em alusão ao acordo secreto entre EUA, Reino Unido, Canadá, Austrália e Nova Zelândia.

O primeiro-ministro neozelandês, o conservador John Key, assegurou ontem que o governo recolhe informação de outros países para manter a segurança dos neozelandeses, mas se recusou a informar se os vizinhos do Pacífico foram espionados.

Não é a primeira vez que explode um escândalo de espionagem na Nova Zelândia. Em setembro do ano passado, os serviços de inteligência do país foram acusados de fazer uma monitoração maciça de seus cidadãos. "Em meu trabalho na NSA tinha acesso rotineiro às comunicações dos neozelandeses com uma ferramenta de vigilância que compartilhávamos com a GSCB, chamada 'XKEYSCORE'", disse Snowden em um texto divulgado em setembro de 2014.

Além desse caso envolvendo a Nova Zelândia, documentos revelados por Snowden no final de 2013 indicam que os serviços de inteligência da Austrália espionaram as comunicações telefônicas do ex-presidente da Indonésia, Susilo Bambang Yudhoyono, e de pessoas de seu entorno, em 2009. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.