Sakchai Lalit/ AP Photo
Sakchai Lalit/ AP Photo

Nova Zelândia legaliza uso medicinal da maconha

Parlamento aprovou lei que autoriza o acesso à substância para pacientes com dores crônicas

O Estado de S.Paulo

11 de dezembro de 2018 | 05h05

O parlamento da Nova Zelândia aprovou nesta terça-feira, 11, uma lei que autoriza o uso medicinal da maconha. De acordo com a nova regra, o acesso será condicionado a pacientes com dores crônicas com receitas médicas.

O texto, uma emenda à Lei de Abuso de Drogas, elimina a definição do cannabidiol como droga controlada e a converte em um medicamento fornecido sob prescrição. Com isso, as empresas de maconha medicinal poderão produzir seus produtos tanto para o mercado local como para exportação.

“A regulação, normas para licenças e os critérios de qualidade dentro de um ano a partir da entrada da lei em vigor”, explicou o ministro da Saúde neozelandês, David Clark.

Com a aprovação da nova legislação, a Nova Zelândia se tornou o segundo lugar na Oceania a legalizar o uso medicinal da maconha. Em 2016, o Estado de Victoria, na Austrália, liberou a utilização.

Pesquisas, entre elas um estudo publicado em 2015 no periódico Journal of the American Medical Association, mostram que a maconha registrou resultados positivos durante tratamentos de dor crônica. Apesar disso, ainda existem dúvidas sobre os efeitos secundários.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.