Mark Mitchell/AP
Mark Mitchell/AP

Nova Zelândia coloca Auckland em lockdown após registro de três casos de covid-19

País não tinha novos casos desde 24 de janeiro; sequenciamento genético será realizado para detectar se há relação com as novas variantes do coronavírus em circulação

Redação, O Estado de S.Paulo

14 de fevereiro de 2021 | 03h35

WELLINGTON - A primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, anunciou neste domingo, 14, um lockdown de três dias na maior cidade do país, Auckland, após o registro de três novos casos de covid-19, os primeiros desde o fim de janeiro.

Segundo Ardern, as restrições serão de nível 3, que restringem a saída de casa apenas para compras - como mercado ou farmácia - e trabalhos essenciais. "Nós eliminamos o vírus antes e vamos fazer isso de novo", disse ela. 

O lockdown valerá da segunda-feira, 15, até quarta-feira, 17. Locais públicos serão fechados e reuniões serão proibidas - com exceção de casamentos e funerais, restritos a 10 pessoas. 

De acordo com o ministro responsável pelo controle da pandemia, Chris Hipkins, os novos infectados são um casal e a filha deles. O sequenciamento genético já está sendo feito para detectar se as infecções estão ligadas às novas variantes do coronavírus. Por precaução, o colégio da criança da família infectada será fechado na próxima semana e os alunos serão testados. 

"Existem infecções novas e ativas", disse Hipkins, acrescentando que a fonte da infecção ainda não foi identificada.

"Ainda falta uma peça do quebra-cabeça", disse ele, explicando que as autoridades de saúde estão tentando descobrir "se o vírus pode ser encontrado em outra parte da comunidade e se ele está em circulação".

Os novos casos, os primeiros desde 24 de janeiro, forçaram a primeira-ministra Jacinda Ardern a retornar à capital Wellington.

A Nova Zelândia, que ficou mais de dois meses sem infecção antes do caso de janeiro, deve começar a vacinar seus 5 milhões de habitantes contra o novo coronavírus em 20 de fevereiro, após receber a vacina Pfizer-BioNTech antes do previsto.

O resto do país, que estava em nível de alerta 1 para a covid-19, o mais baixo, sem restrições, teve status elevado para nível 2, com reuniões limitadas a 100 pessoas. Com informações da Reuters e AFP.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.