Nova Zelândia se nega a negociar com seqüestradores

A primeira-ministra da Nova Zelândia, Helen Clark, disse nesta quinta-feira que está satisfeita com a divulgação de um vídeo mostrando os dois jornalistas da Fox seqüestrados em Gaza porque é a prova de que eles estão vivos, mas acrescentou que não negociará com seus seqüestradores.O correspondente Steve Centanni, americano de 60 anos, e o câmera Olaf Wiig, neozelandês de 36, foram capturados momentos após estacionar seu carro diante do seu hotel, no litoral da Cidade de Gaza."Foi a primeira informação que tivemos dos dois desde que foram seqüestrados, há 10 dias. Estou contente, porque parecem estar bem e dizem que estão sendo razoavelmente bem tratados. No entanto, continuo preocupada com a sua segurança", disse Clark.Clark informou que um alto funcionário policial da Nova Zelândia foi nesta quinta-feira a Gaza para se unir à equipe que trabalha para conseguir a libertação de Wiig e Centanni."Não vamos participar de negociações com ninguém, mas sim ajudar nossos diplomatas a decidir como atuar", afirmou a primeira-ministra, garantindo que a Nova Zelândia não vai cumprir as condições impostas pelos seqüestradores.Um grupo até agora desconhecido, as Brigadas da Sagrada Jihad, assumiu o seqüestro e pediu "a libertação imediata dos muçulmanos que estão em prisões americanas". Caso contrário, os reféns serão mortos.Clark acrescentou que a Autoridade Nacional Palestina (ANP) "está ajudando e apoiando muito, e seu trabalho continua sendo a maior esperança de libertação dos dois homens".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.