Novas evidências de antraz no Congresso dos EUA

As autoridades americanas descobriram evidências da bactéria do antraz em um escritório da Câmara de Representantes que processa a correspondência dirigida aos legisladores, informaram neste sábado funcionários do Congresso, enquanto os investigadores que analisam materiais perigosos continuavam trabalhando no Capitólio. O material - encontrado no Edifício Ford, que fica a alguns quarteirões da sede do Congresso - eleva para três o número de instalações do Legislativo onde foi detectada a bactéria. Também representou a primeira vez em que se registram evidências na área da Câmara, dentro do complexo. Os investigadores já haviam detectado antraz no escritório do líder da maioria do Senado, o senador democrata Tom Daschle, onde uma carta contendo a bactéria foi aberta na segunda-feira, e num centro de correio de um edifício em frente.O caso mais recente surgiu após as autoridades informarem ter localizado a caixa do posto de correio de New Jersey onde haviam sido colocadas as cartas contaminadas - o que pode repressentar um avanço nas investigações -, no momento em que os testes de mais duas pessoas deram resultado positivo, em provas de antraz cutâneo. Ao anunciar ontem a localização da caixa de correio, o chefe da Segurança Interna, Tom Ridge, não deu maiores detalhes. Os resultados podem dar às autoridades mais pistas sobre o lugar de onde foram enviadas as cartas. Ridge disse que os esporos de antraz encontrados na Flórida, em Nova York e em Washington não diferem uns dos outros, e que poderiam proceder de um mesmo grupo.Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.