Novas manifestações deixam policiais feridos em Belfast

Pelo menos seis tiros foram disparados contra a polícia durante a terceira noite de violência em Belfast, na Irlanda do Norte, informou a BBC em seu site nesta quarta-feira. Coquetéis molotov e bombas feitas com canos também foram atiradas por manifestantes nacionalistas na área de Ardoyne. Cerca de 100 policiais usaram um canhão de água contra os manifestantes. Várias barricadas em chamas foram montadas e canetas de laser foram apontadas para a polícia, mas ninguém ficou ferido.

AE-AP, Agência Estado

14 de julho de 2010 | 16h07

Políticos condenaram a violência. O partido republicano irlandês Sinn Fein disse que republicanos dissidentes e "elementos antissociais" estão por trás do episódio, informou a emissora britânica. O ministro da Justiça da Irlanda do Norte, David Ford, disse que o episódio foi uma "situação extremamente desastrosa".

O primeiro-ministro Peter Robinson e o vice-primeiro-ministro Martin McGuinness vão se reunir hoje com o chefe de polícia, Matt Baggot, para discutir o episódio. Ontem, eles foram criticados pelo assistente de polícia Alistair Finlay, que pediu a eles que mostrem mais liderança.

Motivações

Os confrontos são relacionados às divergências entre católicos e protestantes na Irlanda do Norte. A violência ocorreu em bairros católicos da classe média de Belfast e em outras cidades. Em seguida, milhares de protestantes marcharam em 18 pontos da Irlanda do Norte, em uma demonstração anual de força. Foram os piores distúrbios no país em um ano.

A polícia diz que os manifestantes violentos são influenciados por dissidentes do Exército Republicano Irlandês (IRA) contrários a um compromisso para pacificar o país. Os dissidentes do IRA têm tentado nos últimos meses armar emboscadas para policiais, com pouco sucesso até agora. Com informações da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.