Novas rachaduras em terminal do Charles de Gaulle

Novos estalos e rachaduras forçaram o esvaziamento dos restos de um terminal do aeroporto Charles de Gaulle, em Paris. Um desabamento no local, domingo, deixou quatro mortos. Os novos problemas com o Terminal 2E aparecem enquanto as autoridades tentam reorientar os vôos depois que toneladas de concreto, aço e vidro vieram abaixo no aeroporto mais movimentado da cidade mais turística do mundo. Visitantes que se dirigem a Paris devem esperar longas filas de desembarque, além de restaurantes e lojas lotados.As autoridades francesas baixaram o número de mortos no desastre de domingo para quatro, de cinco anunciados anteriormente, dizendo que cães farejadores induziram os oficiais de resgate a acreditar na presença de uma quinta vítima sob os escombros. O terminal, composto de três estruturas interligadas, está fechado ao público por tempo indeterminado.Alguns escritórios e um restaurante de funcionários chegaram a abrir nesta segunda-feira, mas mais de 30 pessoas receberam ordens para deixar o local depois que estalos foram ouvidos e rachaduras apareceram na estrutura. O fechamento do terminal reduz a capacidade do Charles de Gaulle em 15%.Autoridades agora confrontam questões sobre a estrutura e o projeto do terminal. O arquiteto, Paul Andreu, voltou imediatamente à França. Ele estava na China, onde trabalha no projeto de um teatro de ópera. Hubert Fontanel, que supervisionou a construção de 2E, disse que os projetos foram conferidos diversas vezes por especialistas não ligados à obra.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.