Nove bancos são acusados de envolvimento no caso Enron

A Universidade da Califórnia incluiu nove bancos de investimento e dois escritórios de advocacia como réus em uma nova versão de uma ação, em que afirma ter havido fraude no caso Enron. A universidade, que perdeu cerca de US$ 150 milhões com os investimentos que tinha na Enron, disse que os bancos e escritórios de advocacia foram os pivôs em permitir que a Enron executasse a fraude. A universidade acusa os bancos e os escritórios de advocacia de terem ajudado a Enron a apoiar o preço das ações e criarem uma falsa aparência de força financeira e lucratividade, que levou as pessoas a investirem bilhões de dólares na empresa. Muitas das instituições ajudaram a Enron a disfarçar os empréstimos, criar parcerias secretas e facilitar a venda dos ativos superavaliados da empresa, afirma a universidade. Os novos acusados que foram citados nesta versão da ação são o J.P. Morgan Chase, Citigroup, Merrill Lynch, Credit Suisse First Boston, Canadian Imperial Bank of Commerce, Bank of America, Barclays Bank, Deutsche Bank e Lehman Brothers. O escritórios de advocacia acusados são o Vinson & Elkins e o Kirkland & Ellis. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.