Ahmed Zakot/Reuters
Ahmed Zakot/Reuters

Nove morrem em operação ampla de Israel contra Gaza

Premiê israelense disse que país está preparado para expandir a operação no território palestino

AE, Agência Estado

14 de novembro de 2012 | 16h13

GAZA - O exército de Israel iniciou nesta quarta-feira, 14, uma operação militar contra ativistas palestinos na Faixa de Gaza. Pelo menos nove pessoas morreram e mais de 30 ficaram feridas nos ataques israelenses. O premiê israelense, Binyamin Netanyahu, disse que o país está "preparado para expandir' a operação.

 

Entre os mortos encontra-se Ahmed Jabari, comandante do braço militar do grupo palestino Hamas. Duas crianças também morreram no início da maior operação de Israel contra Gaza desde o fim de 2008.

 

Nos últimos dias, autoridades israelenses discutiram a retomada da política de "assassinatos seletivos" de líderes do Hamas, uma polêmica onda de execuções extrajudiciais, em meio aos persistentes disparos de foguetes de militantes palestinos contra o sul de Israel.

 

No Cairo, o ministro das Relações Exteriores do Egito, Mohammed Kamel Amr, criticou os ataques aéreos israelenses e exigiu o "fim imediato" dos bombardeios a Gaza. Por meio de nota, Amr advertiu contra "qualquer tipo de escalada e seus potenciais efeitos negativos para a estabilidade regional".

 

Netanyahu se reuniu com o seu gabinete de segurança no fim da tarde de hoje, pelo horário local. Ao mesmo tempo, o grupo islâmico Hamas, que controla a Faixa de Gaza, decretou estado de emergência, esvaziou os principais edifícios governamentais e posicionou duas forças de segurança longe desses locais.

 

Jabari

 

Jabari, que ocupava o topo de lista de "mais procurados" de Israel desde a invasão de Gaza em 2008, morreu em um ataque aéreo israelense na Cidade de Gaza. Pouco depois, o exército de Israel anunciou que o assassinato de Jabari marcava o início de uma operação militar contra milicianos radicados na sitiada Faixa de Gaza. Veja abaixo o vídeo divulgado pelo Exército mostrando o momento em que o carro de Jabari é alvejado.

 

 

De acordo com testemunhas, Jabari dirigia seu carro pela Cidade de Gaza quando o automóvel explodiu. Dirigentes do Hamas confirmaram a seguir que Jabari foi morto em um bombardeio israelense.

 

Ao longo da quarta-feira, Israel promoveu dezenas de ataques aéreos. Além de Jabari, dois milicianos, duas crianças e quatro pessoas ainda não identificadas morreram nas ações israelenses de hoje, disse Ashraf al-Kidra, funcionário dos serviços de saúde de Gaza.

 

Os disparos de foguetes de Gaza e a operação israelense ocorrem em um momento no qual a Autoridade Palestina (AP) busca seu reconhecimento perante a Organização das Nações Unidas (ONU). Também nesta quarta-feira, veio à tona um documento do Ministério das Relações Exteriores de Israel no qual os diplomatas do país são orientados a alertarem outros governos que os acordos de paz alcançados em Oslo em 1993 podem ser anulados se os palestinos buscarem reconhecimento internacional na ONU.

 

O documento da chancelaria israelense, ao qual a agência de notícias AFP teve acesso, também propõe "derrubar" o presidente da AP, Mahmoud Abbas, se os palestinos pedirem no dia 29 adesão formal na Assembleia-Geral da ONU. A AP, nesse contexto, seria "desmantelada" nos territórios ocupados.

 

As informações são da Associated Press e da Dow Jones

Tudo o que sabemos sobre:
IsraelpalestinosGazamilitar

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.