Novo bombardeio americano revolta moradores de Faluja

Uma multidão revoltada criticou os Estados Unidos durante as homenagens às vítimas de um ataque aéreo americano contra um suposto esconderijo de rebeldes iraquianos na cidade sunita de Faluja. O bombardeio resultou na morte de 17 pessoas, inclusive três crianças, e abriu no solo uma cratera de três metros de diâmetro. "Existe somente um Deus: Alá", gritavam moradores revoltados reunidos no Hospital Geral de Faluja, para onde foram levadas as vítimas. Uma manta coberta de restos humanos era visível no chão enquanto familiares e amigos recolhiam os cadáveres de seus entes queridos para sepultá-los. "Tudo isso é por causa dos americanos", berrava um homem desesperado. O Exército americano alega ter promovido um bombardeio na noite de quarta-feira para atacar um suposto esconderijo de seguidores de Abu Musab al-Zarqawi, um militante jordaniano suspeito de ser responsável por atentados, seqüestros e outros atos de violência contra a ocupação do Iraque. De acordo com testemunhas, porém, o ataque americano atingiu na realidade uma residência comum situada no bairro de Al-Jubail, na zona sul de Faluja.No Hospital Geral de Faluja, o doutor Ahmed Jamid, disse que os corpos de nove civis, inclusive três crianças, foram levados aos hospitais. Depois disso, um repórter da Associated Press viu outros oito cadáveres sendo retirados dos escombros do local atacado pelos Estados Unidos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.