Novo chefe do partido governista sul-africano ameniza conflitos

Jacob Zuma, novo líderdo Congresso Nacional Africano (CNA), atual partido governistada África do Sul, prometeu na quinta-feira sanar os pioresconflitos já surgidos dentro da legenda e disse a investidoresapreensivos não haver motivos para temores. "Não há motivo para incertezas ou temores em qualquerlugar", disse Zuma à conferência do CNA que o elegeu naterça-feira. Zuma derrotou o presidente sul-africano, Thabo Mbeki, nadisputa pela liderança do partido após a rivalidade dos doister dividido a legenda, que governa o país desde o fim doapartheid, em 1994. Chamando atenção para a grande mudança de estilo nacondução do partido, Zuma, ao final do congresso e acompanhadodos delegados, dançou e cantou sua canção antiapartheid, pelaqual ficou conhecido: "Tragam-me minha metralhadora". O novo líder do CNA, que deve suceder Mbeki na Presidênciado país em 2009, afirmou em um discurso marcado pelo tomconciliador que não haveria nenhuma grande mudança naspolíticas principais da legenda. Descrevendo Mbeki como um camarada, um amigo e um irmão,Zuma afirmou: "Devo confessar que nunca achei que nós doisdisputaríamos um mesmo cargo do CNA. No entanto, essa disputanão nos transformou em inimigos". Ao responder às preocupações sobre a possibilidade de arixa entre o chefe de Estado e o líder do CNA paralisar ogoverno da maior economia da África, Zuma disse que trabalhariaem nome de uma relação tranquila entre o partido e o governo. "Precisamos curar as feridas do CNA. E também precisamostrabalhar com o governo e com outros setores a fim deconstruirmos uma sociedade justa", afirmou. O novo líder tentou ainda aplacar os temores surgidos entreos investidores sobre a possibilidade de que levaria a Áfricado Sul para a esquerda devido ao apoio com que conta dossindicatos de trabalhadores e do Partido Comunista. "Não há motivos para que a comunidade empresarial interna einternacional, ou qualquer outro setor, sinta-sedesconfortável. Deixamos claro que precisamos de maisinvestimentos estrangeiros e domésticos", disse. Zuma prometeu aprimorar as políticas de combate à pobreza eà criminalidade na África do Sul, que possui alguns dos pioresíndices do mundo nessas duas áreas. REUTERS FE

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.