Jonathan Ernst / Reuters
Jonathan Ernst / Reuters

Trump quer se reunir com Kim em janeiro ou fevereiro de 2019

Presidente afirmou que 'três locais' estão sendo cogitados para a realização da reunião

O Estado de S.Paulo

02 Dezembro 2018 | 16h19
Atualizado 02 Dezembro 2018 | 20h57

WASHINGTON - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse neste domingo, 2, que espera realizar uma segunda cúpula com o líder norte-coreano, Kim Jong-un, em janeiro ou fevereiro de 2019, após uma primeira reunião em junho em Cingapura.

“Acredito que vamos fazer uma (reunião) em janeiro ou fevereiro”, afirmou Trump no avião presidencial quando questionado por jornalistas sobre um futuro encontro com Kim. O presidente acrescentou que “três locais” estão sendo cogitados para a realização da reunião.

Este seria o segundo encontro entre os dois líderes, que se reuniram em Cingapura em junho para discutir a desnuclearização da Península Coreana depois de meses de ameaças e acusações. Nesta cúpula, os dois líderes assinaram um documento vago sobre a desnuclearização da península, mas os avanços estagnaram porque a Coreia do Norte adotou poucas medidas concretas para abandonar seus programas nuclear e de mísseis balísticos.

A relação esfriou ainda mais quando o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, cancelou uma reunião com autoridades da Coreia do Norte no início de novembro.

Trump discutiu a situação com o presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, à margem da cúpula do G-20 na sexta-feira. Os dois “reafirmaram seu compromisso de alcançar a desnuclearização final e totalmente comprovada” da Coreia do Norte, segundo Sarah Sanders, porta-voz de Trump.

A Casa Branca também disse em um comunicado no sábado, depois da reunião de Trump com o presidente chinês, Xi Jinping, que eles e Kim vão se empenhar "para ver uma Península Coreana livre de armas nucleares". De acordo com a nota, Xi e Trump "concordaram que grandes progressos foram feitos em relação à Coreia do Norte". / AFP e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.