Marco Bello / Reuters
Marco Bello / Reuters

Novo governo da Bolívia reconhece Guaidó como presidente da Venezuela

Líder opositor é considerado mandatário por mais de 50 líderes, mas o controle do país segue, na prática, nas mãos de Nicolás Maduro; Rússia reconhece Jeanine Áñez como presidente interina

Redação, O Estado de S.Paulo

14 de novembro de 2019 | 10h39
Atualizado 14 de novembro de 2019 | 15h59

LA PAZ - O novo governo da Bolívia, liderado pela presidente interina Jeanine Áñez, reconheceu nesta quinta-feira, 14, o líder opositor Juan Guaidó como presidente da Venezuela, informou a ministra da Comunicação, Roxana Lizárraga. 

O governo boliviano decidiu reconhecer o "presidente Juan Guaidó", disse Lizárraga a repórteres. "Esse é o reconhecimento que a Bolívia faz a partir desse momento", acrescentou, dois dias após Jeanine se declarar presidente.

Para Entender

Repórter Ricardo Galhardo traz detalhes sobre a crise política na Bolívia

Enviado especial do 'Estado' a La Paz conversou com os apresentadores do 'Jornal Eldorado' Haisem Abaki e Carolina Ercolin; ouça

O ex-presidente Evo Morales renunciou no domingo em função de três semanas de protestos por sua questionada reeleição, conforme denunciado pela Organização dos Estados Americanos (OEA). 

Para Entender

Crise na Bolívia: Guia para entender a queda de Evo Morales

Após 13 anos no poder, presidente não resiste a pressões das ruas e das Forças Armadas e abandona cargo; veja como isso aconteceu

Guaidó é reconhecido como presidente da Venezuela por mais de 50 líderes, mas o controle do país segue, na prática, nas mãos do governo chavista de Nicolás Maduro, aliado de Evo Morales. Maduro condenou no domingo o que denunciou como "golpe de Estado" na Bolívia.

Rússia reconhece Jeanine como presidente interina da Bolívia

A Rússia reconheceu nesta quinta Jeanine Áñez como presidente interina da Bolívia, ainda que mantenha o posicionamento de que as ações que levaram à renúncia de Evo Morales equivaleram a um golpe de Estado.

"É claro que precisamente ela será considerada presidente da Bolívia no período, até que o novo presidente seja eleito", afirmou o vice-ministro de Relações Exteriores russo, Serguei Ryabkov, em Brasília, segundo a agência de notícias pública RIA Novosti.

Ao mesmo tempo, o diplomata admitiu as reservas de Moscou pela falta de quórum na votação do Parlamento boliviano, durante a aprovação de Jeanine como chefe de governo interina. / AFP e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.