Novo governo de transição palestino deverá ser formado em 10 dias

Primeiro-ministro palestino deverá preisidir governo até que eleições gerais sejam realizadas

Efe

11 de maio de 2011 | 12h10

JERUSALÉM - O primeiro-ministro palestino, Salam Fayyad, deverá presidir um governo de transição que ficará constituído em dez dias, manifestou nesta quarta-feira, 11, Nabil Shaath, um dos dirigentes do movimento nacionalista Fatah.

 

Veja também:

especialInfográfico: As fronteiras da guerra no Oriente Médio

especialLinha do tempo: Idas e vindas das negociações de paz

video TV Estadão: Gustavo Chacra analisa acordo entre Hamas e Fatah

 

O Governo da Autoridade Nacional Palestina (ANP) será formado por tecnocratas, independentes e pessoas alheias a Hamas ou Fatah, indicou Shaath em uma entrevista à agência local "Ma'an".

 

Shaath destacou ainda que prosseguem as negociações entre Fatah e o movimento islamita Hamas com vistas à aplicação do acordo de reconciliação assinado na semana passada no Cairo.

 

Pelo acordo, que poria fim a quatro anos de enfrentamentos entre os dois partidos, deverá ser formado um governo de transição cujo principal objetivo será preparar as eleições gerais em um ano.

 

A identidade do novo primeiro-ministro ainda não foi anunciada, mas Shaath assegura que o nome de Fayyad, político independente altamente reconhecido pela comunidade internacional, figura entre os candidatos. O nome tem a simpatia de outros dirigentes do Fatah, mas não a de integrantes do Hamas.

 

Em entrevista à Agência Efe, o multimilionário Munib Al-Masri, mediador do acordo de reconciliação, também apoia a continuação de Fayyad à frente do Governo "para garantir a continuidade", embora destaque que "neste mundo ninguém é imprescindível".

 

"Há dezenas, centenas, de candidatos que podem fazer o trabalho. Somos uma fábrica de líderes bons e responsáveis", acrescentou.

 

Nos últimos dois anos, Fayyad dirigiu o programa "Terminar com a ocupação, criar um Estado", destinado a criar as instituições de governo necessárias para solicitar em setembro que as Nações Unidas reconheçam o Estado palestino.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.