Novo governo iraquiano recebe apoio dos países do Golfo

Desconsiderados pela Liga Árabe, os membros do novo governo iraquiano buscam apoio onde é mais provável que sejam ouvidos: no Golfo Pérsico. Depois de receber calorosas recepções em outros países da região, por parte de príncipes herdeiros, primeiros-ministros e outros funcionários de alto nível nos Emirados Árabes Unidos, Omã e Bahrein, a delegação iraquiana chegou nesta quarta-feira ao Kuwait - que foi invadido em 1990 por Saddam Hussein e onde ainda existe ressentimento pelo que então foi considerada como falta de apoio firme por parte dos árabes. Para o Kuwait, o novo conselho iraquiano representa o país vizinho muito melhor do que o deposto regime das ?fossas comuns?. Por isso mesmo, o emir do Kuwait, xeque Jaber Al-Ahmed Al-Sabah, reuniu-se com a delegação encabeçada por Ibrahim al-Jaafari, que assumiu a presidência rotativa do conselho iraquiano. Enquanto a maioria dos governos árabes se opuseram à invasão do Iraque, Estados como o Kuwait proporcionaram aos invasores ajuda logística. O governo kuwaitiano foi partidário de medidas enérgicas contra Saddam, afirmando que os árabes deveriam apoiar o povo iraquiano e não o ditador. Outros países do Golfo Pérsico foram mais longe e sugeriram que o mandatário iraquiano deveria abandonar o poder para evitar a guerra.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.