Novo governo japonês está mais perto do fim da pena de morte

Ministra da Justiça de Hatoyama, advogada progressista Keiko Chiba, defende o encerramento das execuções

Efe,

17 de setembro de 2009 | 08h54

O novo governo do premiê Yukio Hatoyama abrirá um "debate público" sobre a pena de morte no Japão, que as associações defensoras dos direitos humanos esperam implique no fim das execuções. O país é, ao lado dos Estados Unidos, o único país desenvolvido que mantém em seu sistema legal a pena de morte, que se aplica sempre na forca, em segredo e sem aviso prévio ao preso, entre fortes críticas dos ativistas mas com um majoritário apoio cidadão.

 

Em 2008, quinze presos foram executados e neste ano já são sete. Porém, isso poderia mudar com a nova ministra da Justiça, a advogada progressista Keiko Chiba, integrante da Liga Parlamentar contra a Pena de Morte e opositora ao sistema. Em declarações horas após assumir seu cargo Chiba advogou por "um amplo debate público" sobre a pena capital, e disse que administrará "com extremo cuidado" esses casos que "afetam à vida das pessoas" e competem a sua pasta.

 

Keiko Chiba é uma advogada especializada em direitos humanos e senadora ex-socialista que incluiu em seu próprio site a pena capital entre a lista de coisas que ele gostaria eliminar durante o século XXI. "É uma boa amiga nossa", assegurou um porta-voz da Anistia Internacional (AI), que se mostrou satisfeito com as primeiras declarações públicas da ministra pois "reúnem todas nossas preocupações". "Esperamos que Chiba possa convocar uma suspensão das execuções e iniciar um debate público" que acabe desembocando na abolição deste castigo no Japão, indicou esse porta-voz da AI.

 

A última suspensão, embora oficiosa, aconteceu entre outubro de 2005 e setembro de 2006 devido a que o então ministro da Justiça, Seiken Sugiura, era budista e se opôs a assinar sentenças de morte. Vários membros do novo governo de Hatoyama, que assumiu o poder na véspera, favorecem o fim da pena capital do sistema jurídico japonês, como o ministro de Assuntos Financeiros, Shizuka Kamei, presidente da Liga Parlamentar contra a Pena de Morte.

 

Em seu manifesto eleitoral, o Partido Democrático de Hatoyama pediu uma revisão do máximo castigo enquanto seus dois aliados, o Partido Social Democrata (PSD) e o Novo Partido do Povo (NPP) de Kamei, são favoráveis a uma suspensão.

 

Em seu comparecimento perante a imprensa, Chiba afirmou esta madrugada que há um debate sobre a abolição ou a manutenção, e que muitos especialistas se inclinam pela introdução de penas perpétuas.

 

AI assegura que as condições em que se aplica a pena capital no Japão favorecem que o prisioneiro do "corredor da morte" (atualmente há 102 pessoas) sofra uma doença mental pois são "cruéis, desumanas e degradantes".

 

Em um relatório publicado dias antes que Hatoyama assumisse o poder, Anistia relatou que aos condenados a morte não se lhes permite falar entre eles, o contato com suas famílias pode reduzir-se a cinco minutos e devem ficar sentados em suas celas, com a ameaça que "cada dia pode ser o último".

 

Uma das características da pena de morte no Japão é a pouca informação da qual se dispõe, além de que se aplica mediante a forca e em sete das 75 prisões do país. Não há testemunhas, não há gravações e não se sabe nada dos carrascos. A Federação de Associações de Advogados do Japão pediu repetidamente uma suspensão que permita "revisar o sistema" e a "contenção" na hora de aplicar um castigo censurado pela União Europeia (UE).

Tudo o que sabemos sobre:
Japão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.