Novo governo palestino depende de libertação de soldado israelense

A libertação do soldado israelense GuiladShalit pelo movimento Hamas é indispensável para a formação do novo governo palestino, disse o presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, após uma reunião com o ministro de RelaçõesExteriores da França, Philippe Douste-Blazy. "Achamos que há certos assuntos que devem ser resolvidos, como a libertação do soldado israelense, a dos ministros e deputadospalestinos detidos por Israel e a pacificação nos territórios palestinos", acrescentou. Shalit foi capturado por três milícias palestinas em junho e desde então está em cativeiro. Israel, por sua vez, deteve 20 políticos palestinos, membros do Hamas, organização qualificada de "terrorista" pela legislaçãoisraelense. Aparentemente, eles serão libertados nos próximos dias. Analistas palestinos dizem que o presidente da ANP não quer dar desculpas a Israel para boicotar o próximo governo. Por isso, exige do Hamas que Shalit seja posto em liberdade antes da formação de uma coalizão. Fontes do movimento islâmico disseram ao jornal israelense "Ha´aretz" que nos últimos dias seus representantes entregaram às autoridades egípcias uma carta escrita pelo soldado, para ser levadaa seu pai, em Israel. O Egito tenta negociar há várias semanas uma troca de prisioneiros entre Israel e o Hamas, até agora sem sucesso. O Hamas exige de Israel a libertação de mulheres, de menores de idade e de todos os líderes políticos presos. Entre eles estão Marwan Barghouthi, secretário-geral do Fatah na Cisjordânia, e o líder da Frente Popular para a Libertação da Palestina, AhmedSaadat.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.