Novo governo toma posse no Egito

O presidente do Egito, Abdel Fattah Al Sisi, empossou um novo governo neste sábado, semanas após seu gabinete anterior se demitir, em uma medida surpreendente em meio a alegações de corrupção contra algumas autoridades. O novo governo será liderado pelo primeiro-ministro Sherif Ismail, anteriormente responsável pela área de petróleo no país. A maioria dos principais postos, incluindo os ministérios das Finanças, de Investimentos, das Relações Exteriores e do Interior, seguiu inalterada, no momento em que o país árabe se prepara para realizar eleições parlamentares a partir do próximo mês.

Estadão Conteúdo

19 Setembro 2015 | 07h57

O ex-premiê Ibrahim Mehleb renunciou em 12 de setembro, diante de um escândalo de corrupção segundo o qual ele teria aceitado dinheiro e propriedades em troca de ajuda para garantir 2.500 acres de terras a um empresário, disseram promotores. Na semana passada, uma porta-voz do gabinete afirmou que a investigação será ampliada para incluir outros ministros e o próprio ex-premiê.

Mehleb foi nomeado como assistente de Sisi para projetos nacionais e estratégicos, segundo a televisão estatal. O novo gabinete inclui 15 novos ministros e consiste em 34 pastas, abaixo das 36 anteriores, segundo o jornal estatal Al Ahram. Com a economia prejudicada por anos de distúrbios políticos, o governo enfrenta alguns grandes desafios. O país luta para conter a ameaça extremista, que avança para além de seu berço na província do Sinai, no leste do país, realizando operações no populoso delta e, mais recentemente, no deserto do oeste.

O Egito ainda precisa lidar com a morte na semana passada de pelo menos 12 turistas, incluindo oito mexicanos. Os visitantes foram confundidos com terroristas e atacados pelas forças de segurança.

Um novo procurador público, o juiz Nabil Sadiq, também foi nomeado neste sábado, segundo a imprensa estatal. O anterior, Hisham Barakat, foi assassinado em junho por uma bomba na capital. Fonte: Dow Jones Newswires.

Mais conteúdo sobre:
Egitopolítica

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.