Novo herdeiro japonês passará por uma série de rituais imperiais

O novo filho dos príncipes japoneses Akishino e Kiko, nascido no começo da manhã de quarta-feira no Japão, passará por uma série de rituais para ser confirmado em seu papel de membro da família imperial, marcando seu destino como sucessor ao trono.A princesa Kiko, cunhada do príncipe herdeiro japonês Naruhito e nora do imperador Akihito, deu à luz um menino, que ocupa o terceiro lugar na linha de sucessão da monarquia mais antiga do mundo. A criança nasceu pesando 2,558 kg e medindo 48,8 centímetros.O bebê é o terceiro de Akishino, de 40 anos, e Kiko, de 39 anos. Antes eles tiveram duas meninas, as princesas Mako e Kako, de 14 e 11 anos de idade, respectivamente. É o primeiro bebê do sexo masculino a nascer na família imperial em quase 41 anos. Devido à Lei de Sucessão patrilinear, ele é o terceiro para suceder a seu avô Akihito, de 71 anos, após seu tio Naruhito, de 46 anos, e seu pai, Akishino.Enquanto fica adiada, pelo menos por enquanto, a polêmica sobre a lei de sucessão ao trono do Crisântemo, começa a série de rituais a que deverá ser submetido nos próximos dias o filho de Kiko e Akishino. Inicialmente, um mensageiro do imperador entregará uma espada "protetora" ao menino. O presente será colocado sobre o seu travesseiro.A criança receberá seu nome durante uma cerimônia, que tradicionalmente acontece no sétimo dia após o nascimento. Também vai ganhar um símbolo que será usado para marcar seus pertences, e que será escolhido por sua mãe.Ainda não foi revelado o nome do herdeiro, que será escolhido pelo pai. Mas ele conterá o sufixo "marco", que significa "pessoa virtuosa". Se fosse uma mulher, levaria no fim do nome a partícula "ko", que significa "menina".Após a cerimônia especial em que será anunciado o nome do bebê, o chefe da Casa Imperial, Shingo Haketa, vai inscrever seu registro no livro da família imperial.O menino será submetido ainda a uma série de rituais. Eles incluem a visita aos três edifícios do Palácio Imperial onde são venerados os antigos imperadores, e sua primeira refeição simbólica com "hashis" (pauzinhos).Como não é filho de um imperador nem de um príncipe herdeiro, não vai passar por algumas cerimônias. Por exemplo, não haverá o banho ritual, na qual se roga pela "excelência literária" e a "boa saúde" do príncipe. Quem passou por esta cerimônia foi Aiko, filha de 4 anos do príncipe herdeiro Naruhito e sua mulher, a princesa Masako, de 42 anos.Aiko poderia ter sido declarada sucessora se houvesse sido aprovada a tentativa de reforma da Lei de Sucessão imperial defendida no ano passado pelo primeiro-ministro, Junichiro Koizumi, cujo objetivo era permitir às mulheres subir ao trono.A reforma fracassou devido à oposição dos setores mais tradicionalistas do governo. A notícia da gravidez de Kiko, que manteve vivas as esperanças de preservar a linha patrilinear, enterrou de vez a proposta.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.