Novo laudo contradiz tese de envenenamento de Arafat

Uma investigação feita na França sobre a morte do histórico líder palestino Yasser Arafat contradiz laudo de cientistas suíços segundo o qual o guerrilheiro convertido em político teria sido envenenado.

AE, Agência Estado

03 de dezembro de 2013 | 20h01

A afirmação foi feita hoje, em Paris, pela viúva do líder palestino, Suha Arafat. Segundo ela, a investigação francesa descarta a possibilidade de seu marido ter sido envenenado com Polonio.

No mês passado, peritos suíços afirmaram com elevado grau de convicção que Arafat ingeriu uma dose letal de polônio-210 semanas antes de sua morte, nove anos atrás, e que as quantidades encontradas em seus restos mortais numa recente exumação descartam a possibilidade de a ingestão ter ocorrido de maneira acidental. O período decorrido entre o padecimento e a morte de Arafat também são consistentes com a hipótese de envenenamento pela substância altamente radioativa.

Em entrevista coletiva, Suha Arafat declarou-se "triste com as contradições entre os melhores especialistas da Europa no assunto".

O laudo francês, segundo ela, faz parte de uma investigação em andamento no país sobre a morte de Arafat. Ele morreu em 11 de novembro de 2004, aos 75 anos, em um hospital militar parisiense.

Apesar dos comentários públicos de Suha, a expectativa é de que o relatório não tenha seu teor completo divulgado. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
FrançaArafatlaudo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.