Novo líder da Al-Qaeda exalta manifestantes sírios em seu primeiro vídeo

Zawahiri diz que sírios dão 'uma lição ao opressor e traidor' e pede que continuem luta contra injustiças

Efe

28 de julho de 2011 | 08h31

Mensagem de líder da Al-Qaeda foi transmitida nesta quarta pela internet

 

 

 

CAIRO - O líder da Al-Qaeda, Ayman al-Zawahiri, elogiou os manifestantes sírios em um vídeo postado na internet nas últimas horas, o primeiro no qual aparece desde sua nomeação como chefe desta organização terrorista, em junho.

 

Veja também:

video Assista ao vídeo 

especialInfográfico: A revolta que abalou o Oriente Médio

 

No vídeo, de cerca de sete minutos de duração e divulgado por sites islamitas, Zawahiri dirige uma mensagem aos manifestantes que exigem a queda do regime do presidente sírio, Bashar al Assad.

 

"Dais uma lição ao opressor e ao traidor (Assad), lições em sua resistência e na resistência de sua injustiça, corrupção e traição", diz o líder da Al-Qaeda.

 

Além disso, acrescenta: "apresentais um exemplo e dais à vossa nação árabe e muçulmana lições no sacrifício, na persistência e na luta contra a injustiça".

 

No vídeo, Zawahiri, que fala com um tom tranquilo, descreve Assad como "parceiro da América na guerra contra os muçulmanos".

 

Além disso, lança uma crítica contra Estados Unidos e Israel, e adverte contra os planos de Washington de estabelecer na Síria um novo regime que proteja seus interesses.

 

"A América, que colaborou com Bashar al Assad durante todo seu mandato, alega hoje que está com vós (os manifestantes sírios) após ver que o terreno se movimenta por vosso terremoto de ira e depois que foi vencido na Tunísia e no Egito ao perder dois de seus maiores agentes", explica o líder terrorista.

 

"Washington tenta hoje estabelecer no lugar de Assad, que protegeu as fronteiras da entidade sionista, outro regime que desperdice vossa revolução e vosso jihad (guerra santa)", acrescenta.

 

Zawahiri, um médico egípcio que era o "número dois" da Al-Qaeda, se tornou em junho o líder desta organização terrorista em substituição a Osama bin Laden, morto em 1º de maio em uma operação militar dos EUA no Paquistão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.